Indígenas promovem novo ato na Esplanada e entregam documento a autoridades

As lideranças condenam ações do governo federal e o sucateamento de órgãos como a Fundação Nacional do Índio

Indígenas promovem ato na Esplanada dos Ministérios, em BrasíliaIndígenas promovem ato na Esplanada dos Ministérios, em Brasília - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Considerada a maior mobilização dos povos indígenas dos últimos anos, o Acampamento Terra Indígena promove nesta quinta-feira (27) mais um ato na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, para entregar um documento às autoridades pedindo a adoção de medidas para defender o direito das etnias.

Endereçado aos Três Poderes da República, o texto faz críticas a projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional que violam os direitos dessa população. As lideranças ainda condenam ações do governo federal e o sucateamento de órgãos como a Fundação Nacional do Índio (Funai).

De acordo com representantes do movimento, mais de 4 mil pessoas participam da edição deste ano, "a maior da história". Desde o início, a mobilização foi planejada e está sendo mediada por representantes das forças policiais para evitar episódios como o ocorrido na última terça-feira, quando indígenas que protestavam no gramado em frente ao Congresso Nacional foram contidos por agentes.

A manifestação começou pouco antes das 16h e percorreu um dos sentidos da Esplanada, em direção ao Congresso Nacional. O objetivo é protocolar o documento nos ministérios da Justiça, Educação, Meio Ambiente e Saúde. Neste último, três lideranças entraram no prédio, acompanhadas de agentes da Polícia Militar, para entregar as reivindicações, classificadas pelos indígenas de "denúncia" à sociedade brasileira e à comunidade internacional.

Uma reunião de 12 lideranças indígenas com os ministros da Justiça, Osmar Serraglio, e da Casa Civil, Eliseu Padilha estava marcada para as 17h. No entanto, o grupo preferiu apenas protocolar o documento e não irá se encontrar com os ministros.

Veja também

Senador pede investigação de empresa que vendeu R$ 15 milhões em leite condensado ao governo
GOVERNO FEDERAL

Senador pede investigação de empresa que vendeu R$ 15 milhões em leite condensado ao governo

Armando Monteiro Neto diz que sua filiação a um novo partido segue em aberto
PERNAMBUCO

Armando Monteiro Neto: filiação a partido segue em aberto