Inquérito da PF sobre invasão a tríplex criminaliza luta social, diz Boulos

Em abril, militantes do MTST invadiram por horas o tríplex no Guarujá, em resposta à prisão do ex-presidente

Guilherme BoulosGuilherme Boulos - Foto: Divulgação

O inquérito da Polícia Federal que investiga a ocupação por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) do tríplex atribuído a Lula é um sintoma da criminalização das lutas sociais e é uma ameaça à democracia, disse o líder do movimento e pré-candidato do PSOL à Presidência, Guilherme Boulos, nesta quinta (7).

Boulos falou a jornalistas, em São Paulo, após ter prestado depoimento à PF nessa investigação. Em abril, militantes do MTST invadiram por horas o tríplex no Guarujá, em resposta à prisão do ex-presidente. "Ação de movimento social tem que ser tratada num debate político, não com criminalização", afirmou.

Leia também:
Tríplex atribuído a Lula é arrematado por R$ 2,2 milhões
Órfãos do PT aderem a manifesto pró-Boulos


O líder dos sem teto disse ter relatado à PF que não participou da ação, mas que a apoiava e considerava legítima. O objetivo, segundo Boulos, era denunciar a condenação de Lula pelo juiz Sergio Moro por esse apartamento -e não permanecer no imóvel.

Boulos disse "estranhar a abertura de inquérito sobre a ocupação simbólica de uma propriedade privada sem que haja reclamação do proprietário do imóvel". Perguntado sobre detalhes do depoimento, ele respondeu que a investigação é sigilosa e que, por isso, ele não poderia dar detalhes do interrogatório.

Veja também

De volta à prefeitura de Belém, Gustavo Caribé esbanja disposição
Carlos Britto

De volta à prefeitura de Belém, Gustavo Caribé esbanja disposição

Marília Arraes defende unidade oposicionista em 2022
Edmar Lyra

Marília Arraes defende unidade oposicionista em 2022