Inquérito sobre fake news vai avançar e chegar em Carlos Bolsonaro, acredita Humberto Costa

Nesta quarta, o senador apresentou requerimento à CPMI para parlamentares alvos do inquérito sejam, imediatamente, afastados da comissão

Humberto Costa, em entrevista à Rádio Folha.Humberto Costa, em entrevista à Rádio Folha. - Foto: Alfeu Tavares / FolhaPE

Membro da CPMI das Fake News, o senador Humberto Costa (PT) observa que os mandados de busca e apreensão, cumpridos pela Polícia Federal na manhã desta quarta-feira (27), por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), "já estavam planejados para ocorrer ainda no período anterior à pandemia". Faz a consideração, informando que o presidente, Ângelo Coronel (PSD-BA), e a relatora da CPMI, Lídice da Mata (PSB-BA), "tem acompanhado o andamento do inquérito", que, segundo ele, "já está avançado no Supremo".

O inquérito tem mais de um ano. Os 29 mandados de busca e apreensão desta quarta-feira se dão no âmbito do inquérito das fake news, presidido pelo ministro Alexandre de Mores, que apura ofensas e ameaças contra ministros do STF. Entre os alvos da operação estão políticos, empresários e ativistas bolsonaristas.

Ainda que o inquérito esteja avançado, Humberto Costa não descarta que a operação da PF desta quarta também configure uma reação do STF aos ataques recebidos nos últimos dias pela Corte, que protagonizou reação conjunta em defesa da democracia na última terça-feira (27). O senador falou, nesta quarta, em entrevista ao programa Folha Política, da Rádio Folha FM 96,7.

"Pode ser que seja resposta, porque a propagação dessas ideias acontece em larga escala", assinala Humberto Costa e completa: "Pode ser resposta do Supremo a esses ataques que estão sendo feitos contra o Supremo, contra o Congresso...".

Na análise do petista, em algum momento, o filho do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), será obrigado a prestar esclarecimentos. O senador diz ainda não ter dúvidas de que essa investigação chegará ao chamado "gabinete do ódio". O gabinete, diz Humberto, "tem funcionamento que passa muito provavelmente pelo astrólogo, que se autointitula filósofo, Olavo de Carvalho". O petista acrescenta: "Tem participação direta e coordenação direta do vereador Carlos Bolsonaro e do deputado Eduardo Bolsonaro e de um grupo de pessoas que recebe altos salários do poder público ao invés de diminuírem número de cargos".

Ainda nesta quarta-feira, Humberto Costa apresentou requerimento à CPMI das Fake News para que todos os parlamentares alvos do inquérito que tramita no STF sejam, imediatamente, afastados da comissão. "É inaceitável que exerçam o papel de investigadores de crimes pelos quais são investigados", assinala o senador.

Também nesta quarta-feira, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro afirmaram, em suas redes sociais, que a ação determinada pelo STF, que mira o "gabinete do ódio", é inconstitucional.

Folha de Pernambuco · 27.05.20 - Folha Política com Humberto Costa PT

Veja também

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal
Protesto

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus