Ministério Público

Integrantes do Ministério Público esperam reação de Lira e querem antecipar código de ética

As entidades que representam a classe devem se reunir com o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, para pedir celeridade na apresentação de uma proposta de código de ética

Arthur LiraArthur Lira - Foto: Júlio Nascimento/PR

Integrantes do Ministério Público têm comemorado a derrubada do texto da PEC que altera a composição do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), mas aguardam uma reação de Arthur Lira (PP-AL) para tentar emplacar a proposta.

Procuradores e promotores temem uma manobra do grupo liderado pelo presidente da Câmara dos Deputados com apresentação de um novo texto, que resultaria em uma nova votação em que Lira possa reverter a derrota por apenas 11 votos.


Lira busca os possíveis traidores e disse após a votação que o "jogo só acaba quando termina".

Em tese, após a derrubada do substitutivo na quarta (20), o texto original da PEC e destaques supressivos podem ser votados.

"O resultado da votação transmite um recado claro de que propostas como essa têm de ser discutidas a fundo, sem acordos açodados, nem atalhos regimentais, em benefício da sociedade e do próprio processo democrático", disse ao Painel Ubiratan Cazetta, a Associação Nacional dos Procuradores da República.

A ordem entre os integrantes do MP é aguardar o próximo passo do presidente da Câmara.

Enquanto isso, as entidades que representam a classe devem se reunir com o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, para pedir celeridade na apresentação de uma proposta de código de ética.

Como presidente do CNMP, cabe a Aras apresentar o texto. O objetivo de apresentar com rapidez a proposta é se antecipar a Lira e esvaziar o discurso de que o MP não é fiscalizado e e seus integrantes não seguem qualquer código de conduta.

Veja também

Congresso aprova teto a verba política sem revelar parlamentares beneficiados

Congresso aprova teto a verba política sem revelar parlamentares beneficiados

Bolsonaro passou por oitos partidos desde que iniciou carreira política em 89, relembrePresidente da República

Bolsonaro passou por oitos partidos desde que iniciou carreira política em 89, relembre