Interferências de Bolsonaro em órgãos do governo vão de filmes a exonerações

A mais recente foi a troca da chefia da Polícia Federal no Rio de Janeiro

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Alan Santos/PR

Em pouco mais de oito meses de mandato, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) já acumula uma série de ingerências em órgãos do governo.

A mais recente foi a troca da chefia da Polícia Federal no Rio de Janeiro, que provocou uma queda de braço com o ministro Sergio Moro e a PF.

Leia também:
Famílias de vítimas de voo da Chape querem ajuda de Bolsonaro
Bolsonaro divulga vídeo de caça de baleias em ilha dinamarquesa para criticar Noruega


Relembre abaixo este e outros episódios em que Bolsonaro interferiu em decisões e processos de outras entidades do governo:

Superintendentes da PF 
Por ordem do presidente, a Polícia Federal trocará o comando da superintendência no Rio de Janeiro. A mudança já estava sendo discutida na cúpula da força policial, mas pegou a corporação de surpresa e causou mais um constrangimento ao ministro da Justiça, Sergio Moro.

OAB
Após Bolsonaro protagonizar desentendimento público com o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, a Petrobras avisou que irá rescindir contrato com o escritório de advocacia do dirigente da entidade. O presidente pregou ainda revisão dos contratos de publicidade da empresa estatal.

Propaganda 
Em uma ingerência administrativa, ele pediu ao presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, que demitisse o diretor de publicidade da instituição financeira e retirasse do ar uma propaganda com atores que representavam diversidade sexual e racial.

Ibama 
No início do ano, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama ) exonerou o fiscal que multou Bolsonaro em 2012 por pescar na Estação Ecológica de Tamoios, no Rio de Janeiro. O presidente defende inclusive que área de proteção ambiental deixe de ser uma estação ecológica para transformá-la em uma "Cancún".

Meio ambiente 
Com a insatisfação do presidente diante do aumento do desmatamento na Amazônia, o presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o físico Ricardo Galvão, responsável pela divulgação do dado, foi exonerado. Bolsonaro queria que as informações fossem discutidas previamente com o Palácio do Planalto antes de serem tornadas públicas.

Filmes 
Insatisfeito com os patrocínios aprovados pela Agência Nacional do Cinema (Ancine), o presidente impôs uma pauta de costumes no órgão federal e interveio para que produções audiovisuais cuja temática é a diversidade sexual não recebessem recursos, como filmes sobre transgêneros e homossexuais.

Segurança 
Após uma interferência de Bolsonaro, o ministro da Justiça, Sergio Moro, teve de revogar a nomeação da especialista em segurança pública Ilona Szabó de Carvalho como suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. O episódio causou desconforto a Moro, o que o levou a pedir desculpas públicas a Ilona, que havia se posicionado contra Bolsonaro na campanha eleitoral.

Radares
Na última quinta-feira (15), o presidente suspendeu o uso de radares móveis em rodovias federais, medida criticada por especialistas em segurança no trânsito. Em junho, ele também apresentou projeto de lei aumentando de 20 para 40 pontos o limite para suspensão do condutor. Nos últimos cinco anos, como mostrou a Folha, a família do presidente recebeu 44 multas de trânsito.

Veja também

Ministério Público investiga obras de estradas do governo Doria
Justiça

Ministério Público investiga obras de estradas do governo Doria

Bolsonaro bate recorde e é o que mais libera verba em emenda parlamentar desde 2015
R$ 17,2 bilhões

Bolsonaro bate recorde e é o que mais libera verba em emenda parlamentar desde 2015