Intervenção no Rio impedirá votação de PEC de segurança pública

PEC 118/2011 estava na pauta da terça-feira (20) e proíbe o contingenciamento de recursos de fundo criado para apoiar projetos na área de segurança pública e prevenção à violência

Temer assina decreto de intervenção federal no Estado do RioTemer assina decreto de intervenção federal no Estado do Rio - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O decreto de intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro, assinado nesta sexta-feira (16) pelo presidente Michel Temer (MDB), impedirá a votação de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que trata de segurança pública.
A proposta, que estava na pauta do plenário do Senado, não poderá ser votada uma vez que a Constituição não permite que sejam feitas emendas a ela durante período de intervenção federal.
O texto da PEC 118/2011 proíbe o contingenciamento de recursos destinados ao Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP), instituído no âmbito do Ministério da Justiça, para "apoiar projetos na área de segurança pública e prevenção à violência", segundo a pasta, e estava na pauta da terça-feira (20).
Na próxima semana, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), já afirmaram que votarão o decreto de intervenção na segurança pública do Rio, que tramitará em regime de urgência.

Leia também:
Temer diz que intervenção vai restabelecer a ordem no Rio
Pezão diz que não resistiu à proposta de intervenção federal na segurança
'Intervenção no Rio é jogo de xadrez de Temer', afirma especialista

Além da proposta a respeito do FNSP, outra PEC que trata de segurança pública e cuja tramitação pode ser interrompida no Senado é a que permite que as guardas municipais atuem no combate ao crime organizado nas fronteiras estaduais. Ela está na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa.
Há divergências entre os técnicos do Congresso sobre se a tramitação total deve ser interrompida ou se apenas não podem ser votadas em plenário emendas ao texto constitucional.
Na Câmara, há 23 propostas de emenda à Constituição esperando indicações para formação de comissões especiais. Entre elas está a PEC 333, que trata do fim do foro privilegiado.
Além disso, são 35 comissões especiais em funcionamento para tramitação de PECs, entre elas propostas polêmicas, como a 215, que trata de demarcação de terras indígenas e a 181, que criaria regras mais duras para o aborto legal no país.

Veja também

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista
Eleições 2020

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife
Eleições 2020

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife