Investigação de ataque contra Bolsonaro está quase concluída, diz diretor da PF

Materiais de um dos advogados de Adélio Bispo foram apreendidos a fim de se descobrir quem paga a defesa do agressor

Bolsonaro (PSL) foi esfaqueado em um ato de campanha em Juiz de Fora (MG)Bolsonaro (PSL) foi esfaqueado em um ato de campanha em Juiz de Fora (MG) - Foto: Raysa Leite/AFP

O diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, afirmou que o inquérito sobre a facada levada por Jair Bolsonaro (PSL) está 90% concluído. O presidente eleito foi atacado em 6 de setembro, quando ainda era candidato e fazia campanha em Juiz de Fora (MG).

Na manhã desta sexta-feira (21), a PF cumpriu mandados de busca e apreensão no escritório de Zanone Manuel de Oliveira Júnior, um dos advogados de Adelio Bispo de Oliveira, que é o autor da facada. "Vocês sabem que investigação requer sigilo. A investigação está bastante avançada. Está em torno de 90% concluída, pelo que me foi passado pelo presidente do inquérito", disse Galloro nesta sexta (21).

O diretor-geral disse que a ação desta manhã é para esgotar dúvidas sobre a participação de terceiros no episódio. "Temos um dever social com esse caso. Não podemos terminar com nenhum dúvida. Então, a ação é mais nesse sentido", acrescentou.

Leia também:
PF cumpre mandado em escritório de advogado do agressor de Bolsonaro
PF pede prorrogação de prazo de 2º inquérito sobre facada em Bolsonaro
Bolsonaro diz que facada foi atentado político
Mestre de capoeira é morto com facadas após discussão política na Bahia


Segundo o delegado responsável pela investigação, Rodrigo Morais Fernandes, o objetivo da operação é apreender e periciar documentos, celulares e computadores para descobrir quem paga a defesa de Adelio. O delegado disse à reportagem que a polícia trabalha com a hipótese de que o advogado poderia estar sendo financiado por uma organização criminosa ligada ao tráfico de drogas ou por um grupo político.

Em uma primeira fase de apuração, a Polícia Federal afastou a suspeita de que Adélio tenha recebido pagamento em sua conta bancária para executar o crime e concluiu que agiu sozinho. Ainda assim, decidiu abrir um segundo inquérito, para investigar supostos mandantes ou pessoas que teriam instigado o crime. Até aquele momento não havia nenhuma indicação nesse sentido.

Galloro disse não saber se havia mudado o cenário e novas pistas apareceram desde então e reforçou a necessidade de se esgotar qualquer tipo de dúvida.

Veja também

Direção da PF barra promoção de delegado de caso Salles para cargo de chefia
Polícia Federal

Direção da PF barra promoção de delegado de caso Salles para cargo de chefia

'É bem mais grave', diz deputado sobre relatos de irmão por pressão do governo pela Covaxin
Covaxin

'É bem mais grave', diz deputado sobre relatos de irmão por pressão do governo pela Covaxin