Primeira-dama

Janja diz que mulheres "têm muito" o que ensinar a Lula e critica falta de representatividade no STF

Objetivos para melhorias nos índices femininos foram apresentados em plano; governo quer 45% das mulheres no mercado de trabalho formal

A primeira dama, Janja Lula da Silva, durante lançamento do Relatório da Agenda Transversal Mulheres PPA 2024-2027A primeira dama, Janja Lula da Silva, durante lançamento do Relatório da Agenda Transversal Mulheres PPA 2024-2027 - Foto: Jose Cruz/Agência Brasil

A primeira-dama Janja da Silva disse em evento com ministras do governo Lula que o presidente “tem muito” o que aprender com elas. Janja também criticou a falta de representatividade no Supremo Tribunal Federal (STF), que passou a ter apenas uma mulher, Cármen Lúcia, depois que Lula indicou o ex-ministro da Justiça Flávio Dino para a vaga de Rosa Weber.

Janja esteve no lançamento do Plano Plurianual para mulheres, que traçou promessas do governo para igualdade de gênero a serem cumpridas até 2027. Entre elas, está o aumento da formalização de mulheres no mercado de trabalho para 45% e a redução da disparidade de renda entre homens e mulheres em 10%.

— Apesar de ele ser presidente, a gente tem muito também o que ensinar e mostrar para ele. É isso que ele espera de nós — disse a primeira-dama para uma plateia de servidoras públicas do Banco do Brasil, onde aconteceu o evento.

Janja disse ainda que iria colocar o caderno que traz os objetivos do PPA para mulheres na mesa de cabeceira do marido. Dirigindo-se a Cármen Lúcia, a primeira-dama ainda lembrou do ambiente majoritariamente masculino da Corte.

— Toda vez que eu chego lá num evento no Supremo, eu vou direto para ela. Porque eu sempre entro naquela sala, e é uma sala muito masculina. Aquilo me incomoda muito, e aí eu sempre busco a ministra Cármen lá. Eu espero, realmente, é um espaço muito difícil, mas eu espero que ainda esse espaço possa ser de mais mulheres – afirmou.

Cármen Lúcia destacou que a busca pela igualdade de direitos entre os gêneros é direito constitucional

– Eu quero que no Brasil cada pessoa seja o que ela quiser, e isso é direito na Constituição. Não é porque sou juíza que não sofro preconceito. O preconceito passa pelo olhar, não precisa falar nada. Somos invisibilizadas por uma cultura há mais de 2 mil anos.

Também estiveram no lançamento do PPA, as ministras do Planejamento, Simone Tebet, responsável pelo plano; das Mulheres, Cida Gonçalves; da Igualdade Racial, Anielle Franco; da Ciência e Tecnologia, Luciana Santos; da Gestão e Inovação, Esther Dweck; e da Cultura, Margareth Menezes, que citou o baixo número de mulheres no comando de ministérios.

– Ainda não é o que queremos, queremos a paridade total. Mas já é uma sinalização – disse Menezes.

Cida Gonçalves, também destacou o ambiente majoritariamente masculino dos comandos no serviço público. Ele disse ainda que a igualdade salarial entre homens e mulheres será efetivamente colocada no mercado de trabalho, após a aprovação do projeto de lei.

– A caminhada é muito difícil, às vezes dá vontade de desistir e chorar. Nós temos uma estrutura de estado que não foi feita para terem mulheres. A igualdade salarial é um princípio civilizatório.

Entre os objetivos do PPA 2024-2027 para mulheres, estão:

Alcançar taxa de 45,2% de formalização de mulheres do mercado de trabalho;

Redução da disparidade de renda entre homens e mulheres em 10%;

Redução em 16% das mortes de mulheres em residências por violência;

Construir 60 maternidades;

Criar 117 unidades de atendimento às mulheres vítimas de violência;

Construir 90 centros de parto normal;

Lançar edital de 100 milhões de reais para projetos científicos de meninas e mulheres;

Bolsas de doutorado para mulheres negras, indígenas e quilombolas.

Veja também

Brasil precisa de "mais testosterona", diz Nikolas Ferreira em ato pró-Bolsonaro no Rio
ato no rj

Brasil precisa de "mais testosterona", diz Nikolas Ferreira em ato pró-Bolsonaro no Rio

Em ato, deputado discursa em inglês para defender liberdade "porque Elon Musk está olhando"
Ato no RJ

Em ato, deputado discursa em inglês para defender liberdade "porque Elon Musk está olhando"

Newsletter