investigação

Joias, 8 de janeiro, pandemia: Bolsonaro é investigado em cinco inquéritos no STF

Ex-presidente também é alvo de apurações sobre cartão de vacina e interferência na PF

Ex-Presidente BolsonaroEx-Presidente Bolsonaro - Foto: PR

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que presta depoimento nesta quinta-feira à Polícia Federal (PF) sobre uma suposta tentativa de golpe de Estado, é investigado em cinco inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF). Um deles, o das milícias digitais, engloba diversas frentes: além da apuração sobre o de golpe, também são investigadas uma possível fraude no cartão de vacina e a suspeita de venda de joias da Presidência.

Bolsonaro também é investigado em um dos inquéritos dos atos golpistas do 8 de janeiro, e ainda responde a três investigação abertas enquanto ele era ainda presidente, que envolvem a pandemia e uma possível interferência na Polícia Federal (PF).

Confira todas as investigações:
Tentativa de golpe

De acordo com a PF, há "dados que comprovam" que Bolsonaro "analisou e alterou uma minuta de decreto que, tudo indica, embasaria a consumação do golpe de Estado em andamento". A defesa dele negou que ele tenha participado da "elaboração de qualquer decreto que visasse alterar de forma ilegal o Estado Democrático de Direito".

Venda de joias
A PF investiga um esquema de venda de presentes recebidos pela Presidência durante o governo Bolsonaro. Auxiliares do ex-presidente venderam ou tentaram comercializar ao menos quatro itens, sendo dois entregues pela Arábia Saudita e dois pelo Bahrein. Em depoimento sobre o caso, Bolsonaro optou por ficar em silêncio.

Fraude no cartão de vacina
Em maio do ano passado, Bolsonaro foi alvo de mandado de busca e apreensão pela suspeita de fraude em seu cartão de vacina. A PF identificou que os certificados de vacinação do ex-presidente e da filha dele, Laura, foram adulterados e, em seguida, emitidos. Em depoimento, ele negou em que tenha tomado conhecimento da inserção de dados falsos.

8 de janeiro
Bolsonaro é um dos investigados no inquérito do STF que investiga supostos incitadores e autores intelectuais dos atos golpistas do dia 8 de janeiro. O ex-presidente foi incluído na apuração após ter compartilhado, dois dias depois dos atos, um vídeo com acusações sem provas ao STF e ao TSE. Em depoimento à PF, Bolsonaro afirmou que a publicação foi feita por engano.

Pandemia
Em 2022, a PF afirmou ao STF que Bolsonaro cometeu incitação ao crime, por estimular as pessoas a não usarem máscaras, além da contravenção penal de "provocar alarme ou perigo inexistente" ao associar o uso da vacina da Covid-19 com o desenvolvimento do vírus da Aids. No ano passado, a PGR pediu o arquivamento do caso. Ainda não houve decisão do relator do caso, Alexandre de Moraes.

Vazamento de inquérito
Em 2022, a PF afirmou que Bolsonaro cometeu o crime de violação de sigilo funcional, ao divulgar uma investigação sigilosa sobre ataque hacker ao TSE. A PGR já pediu para arquivar esse caso, mas o pedido foi negado por Moraes, que também é o relator desse inquérito.

Interferência na Polícia Federal
Bolsonaro é investigado por uma suposta interferência na PF, denunciada pelo ex-ministro Sergio Moro (hoje senador), quando pediu demissão do Ministério da Justiça, em 2020. O então presidente prestou depoimento no caso em 2021, mas negou interferência. Em 2022, a PF afirmou que não houve crime, e a PGR pediu o arquivamento, mas ainda não há decisão.

Veja também

Foro privilegiado: entenda as mudanças definidas pelo STF
SUPREMO

Foro privilegiado: entenda as mudanças definidas pelo STF

Boulos diz que serviço funerário de SP virou 'mercado da morte' e promete rever concessão
DECLARAÇÃO

Boulos diz que serviço funerário de SP virou 'mercado da morte' e promete rever concessão

Newsletter