Jucá discute com governo participação de parentes de políticos na repatriação

Publicamente, Renan negava a possibilidade de incluir os parentes de políticos na proposta

Geraldo AlckminGeraldo Alckmin - Foto: José Cruz/Arquivo/Agência Brasil

A proposta de regularização de recursos de brasileiros no exterior pode ir ao plenário do Senado, na próxima semana, com um texto que permita a parentes de políticos participarem da segunda fase do programa. Essa é a intenção do relator do texto, senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Segundo o peemedebista, a possibilidade será discutida com o Ministério da Fazenda e visa "evitar injustiças". "Se os parentes têm contas separadas dos políticos, não vejo por que não [incluí-los]. Acho que a Receita Federal e o Banco Central têm todas as condições de verificar a origem desses ativos", afirmou Jucá nesta quinta (17).

A nova versão do projeto de repatriação, proposto pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), estava prevista para ser votada ainda nesta semana, mas devido ao feriado da Proclamação da República, não houve quórum na Casa nesta quarta (16).

Publicamente, Renan negava a possibilidade de incluir os parentes de políticos na proposta e assim apresentou o texto. O projeto do presidente do Senado é enxuto e não faz referência alguma a isso.

Nos bastidores, contudo, a participação de parentes de políticos nunca deixou de ser discutida. É inclusive uma forte demanda da Câmara dos Deputados para aprovar o projeto ainda este ano. Políticos, contudo, continuam impedidos de aderir ao programa.

Nessa segunda versão da repatriação, as alíquotas da multa e de cada uma das tributações foi reajustado. Passou dos antigos 15% da primeira fase, encerrada no fim de outubro, para 17,5%.

Jucá afirmou, ainda, que também está discutindo com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e com a AGU (Advocacia-Geral da União) uma maneira legal de dividir com os Estados os recursos arrecadados com a multa -os valores advindos dos impostos já vão, em partes, para os Estados. "Não queremos criar um novo passivo na Justiça", disse o senado.

A intenção é aprovar a proposta até o fim do ano legislativo, no meio de dezembro, para que a nova fase da regularização de ativos no exterior comece logo no início de 2017. As adesões devem ocorrer de janeiro a março.

Estima-se uma arrecadação de até R$ 20 bilhões, depois dos R$ 46,8 bilhões conseguidos na primeira fase do programa.

Veja também

TCU veta que governo anuncie em site que promove ilegalidade
Política

TCU veta que governo anuncie em site que promove ilegalidade

STF pressiona contra redução salarial e corte de penduricalhos
Política

STF pressiona contra redução salarial e corte de penduricalhos