Juiz admite que errou sobre patrimônio de Marisa Letícia

Família de Lula processa Eduardo Bolsonaro após compartilhar notícias falsas sobre os valores

A ex-primeira dama Marisa Letícia faleceu em fevereiro 2017A ex-primeira dama Marisa Letícia faleceu em fevereiro 2017 - Foto: Ricardo Stuckert

O juiz Carlos Henrique André Lisbôa, da 1ª Vara da Família e das Sucessões de São Bernardo do Campo, voltou atrás e reconheceu que o valor do inventário da ex-primeira dama Marisa Letícia Lula da Silva é de R$ 26 mil, em vez de R$ 256 milhões.

"O inventariante se manifestou por meio da petição de fls. 573/576 e juntou o extrato de fls. 577/584. Restou demonstrado que o investimento que a falecida possuía no Banco Bradesco tem saldo líquido de R$ 26.282,74 (fls. 578) e que ele não é regulamentado pelos contratos acostados a fs. 394/427 e 428/468", escreveu no documento. "A questão, portanto, está devidamente esclarecida", segue.

O juiz também afirma que a onda de notícias falsas produzidas depois da divulgação do valor errado, podem ser tratadas, "caso haja interesse, em ação própria". No fim de abril, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi intimado a apresentar sua defesa em ação na qual é processado pelos herdeiros da ex-primeira dama.

Leia também:
Eduardo Bolsonaro é intimado em processo de Lula e herdeiros de Marisa Letícia
Lula critica decisão do Supremo que barrou escolha de Bolsonaro para a PF


A família de Lula (PT) processa o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) após publicação nas redes sociais na qual Eduardo afirmava que Marisa Letícia possuía um patrimônio de R$ 256 milhões -quando, segundo a defesa dos herdeiros, o valor verdadeiro é de R$ 26 mil.

A ação também processa a secretária especial de Cultura, Regina Duarte, que compartilhou as afirmações.

Veja também

Pacheco e Queiroga discutem uso de fábricas de vacina animal para produzir imunizante contra Covid
Coronavírus

Pacheco e Queiroga discutem uso de fábricas de vacina animal para produzir imunizante contra Covid

Fux marca para terça-feira (13) julgamento sobre CPI da Covid-19
STF

Fux marca para terça-feira (13) julgamento sobre CPI da Covid-19