Política

Juiz deve seguir lei e não decidir naquilo que acha mais justo, diz Toffoli

Toffoli não fez menção em seu discurso a polêmicas recentes que envolvem o Supremo

Presidente do STF, ministro Dias ToffoliPresidente do STF, ministro Dias Toffoli - Foto: José Cruz/Agência Brasil

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, criticou nesta segunda-feira (20) magistrados que tentam fazer "justiça em caso concreto" em vez de seguir o estabelecido na lei.

"É muito importante que nós tenhamos em conta que os magistrados têm que garantir que os pactos sejam cumpridos", disse o ministro em evento da IBA (Internacional Bar Association), a "OAB Mundial", em São Paulo.

"Essa também é a função dos tribunais superiores e do Supremo Tribunal Federal", acrescentou.

Leia também:
Senador protocola pedido de impeachment de Dias Toffoli e de Alexandre de Moraes
Dias Toffoli alerta governo para o fato de que 'filhos devem ocupar o lugar de filhos'


"Aplicar a Constituição, aplicar a lei, garantir que as normas e as regras do jogo sejam cumpridas como estabelecidas e não pelo desejo do intérprete naquilo que seria, na visão dele, o mais justo ou o mais correto ou que, no ponto de vista econômico, seria melhor para a sociedade."

Toffoli fez o discurso de abertura do evento, que tem como tema insolvência de empresas, frisando que a Justiça deve garantir que haja segurança jurídica no país. Pediu "frieza de fazer valer os contratos" aos magistrados.

O presidente do STF citou estudo do Insper que afirma que o índice de aplicação "de interpretação puramente legalista" da lei de insolvência civil, de 2005 até hoje, caiu de 90% para 35%.

Segundo ele, "porque os magistrados, em vez de aplicar a lei como estabelecido e garantir os contratos, garantir os pactos, começam a querer fazer justiça em caso concreto".

Toffoli foi um dos responsáveis por elaborar a lei, quando ainda era subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil, no governo Lula (PT).

O presidente do Supremo chegou e saiu do local, um hotel no centro de São Paulo, sem falar com a imprensa. Ao contrário de eventos anteriores com a presença do ministro, não houve protestos à frente do local.

Toffoli não fez menção em seu discurso a polêmicas recentes que envolvem o Supremo, como o inquérito que investiga a divulgação de fake news contra integrantes da corte ou o texto compartilhado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), na sexta (17), com críticas à corte.

Para um público de advogados, parte deles de outros países, explicou as estruturas da Justiça brasileira e as funções e números de processos que o STF julga anualmente.

Veja também

Câmara de SP aprova admissibilidade de cassação de vereador
São Paulo

Câmara de SP aprova admissibilidade de cassação de vereador

Por unanimidade, ministros do TSE aprovam federação entre PT, PCdoB e PV
VOTAÇÃO

Por unanimidade, ministros do TSE aprovam federação entre PT, PCdoB e PV