Juiz lê relatório, e procurador reclama de ‘tropa de choque’ lulista

Depois da fala dura contra os críticos do processo penal, o Gerum passou a lembrar de detalhes do caso

Advogados de Lula entram no TRF4 para o julgamentoAdvogados de Lula entram no TRF4 para o julgamento - Foto: Luiz Munhoz/Recorte do Olhar/Folhapress

O juiz João Pedro Gebran Neto leu durante meia hora o relatório sobre o caso do tríplex de Lula. Gebran abriu sua fala dizendo que não está julgando a vida pessoal de Lula, mas sim "fatos". O juiz do TRF-4 recordou os argumentos já apresentados pelas partes -como a alegada incompetência de Sergio Moro para julgar o caso, pedida por Lula. Ele também citou os pontos levantados pela acusação.

Após sua fala, Gebran passou a palavra ao representante do Ministério Público Federal, o procurador regional da República Maurício Gerum. No início da fala, ele reclamou da "truculência da tropa de choque", em referência a apoiadores do petista. "Uma tropa de choque foi criada para garantir a perpetuação de um projeto político pessoal", disse o procurador, acrescentando que Lula e aliados não admitem outra solução no processo que não seja a absolvição.

Leia também
Acompanhe ao vivo o julgamento de Lula no TRF-4
Entenda o caso tríplex em que Lula foi condenado


"O processo judicial não é um processo parlamentar", afirmou. Gerum disse que o que mais o entristece é ver a comunidade acadêmica disposta a fazer coro a um movimento de intimidação. Segundo ele, a pressão que estaria sendo exercida é próxima do crime de coação.

Depois da fala dura contra os críticos do processo penal, o Gerum passou a lembrar de detalhes do caso, como o início do caso do tríplex, com pagamentos de Marisa Letícia em 2005 para a Bancoop, responsável pelo condomínio no Guarujá na época.
Gerum também criticou a relação de Lula com Léo Pinheiro, da OAS, que tachou de "promiscuidade" e "toma lá dá cá". "Isso é rechaçado na maioria dos países", disse ele.

O procurador afirmou que todos os indícios mostram que o apartamento estava sendo preparado para o petista antes da prisão do empreiteiro, em 2014.
Gebram também falou sobre a ingerência de Lula na Petrobras. Ele citou o depoimento do delator Pedro Corrêa, que relatou conversa com o então presidente sobre a estatal.

O vínculo de Lula com as irregularidades na Petrobras é um dos principais pontos de críticas ao processo contra o petista. "Um presidente da República engendra junto com as empreiteiras um dos maiores esquemas de corrupção da história do Brasil", disse o procurador Maurício Gerum.

"Não precisamos ficar na suposição que Lula sabia", afirmou. O procurador também citou reportagem do jornal "O Globo" de 2010, que atribuía ao ex-presidente a propriedade do tríplex no Guarujá. "Procurada, a Presidência confirmou que Lula continua proprietário do imóvel", diz o texto.

Gerum também lembrou o depoimento do empreiteiro da OAS, Léo Pinheiro, preso desde 2016. Pinheiro afirmou que a OAS só assumiu o condomínio em Guarujá porque Lula já tinha pago uma parte de um imóvel no prédio. O relato é um dos principais pontos da acusação contra o petista. Gerum reclama da "veneração que se faz míope" a favor do ex-presidente.

Gerum terminou sua fala com uma passagem da obra "Crime e Castigo", do russo Fiódor Dostoiévski. "O verdadeiro soberano, ao qual tudo é permitido, bombardeia Toulon, assola Paris, esquece o seu exército no Egito, aniquila meio milhão de soldados na retirada de Moscou e livra-se de dificuldades com um trocadilho em Vilna; e, no entanto, depois de morto constroem-se altares para ele, e assim tudo é permitido. Não, esses seres, pelo visto, não são feitos de carne e osso, mas de bronze", escreveu o autor. Gerum completou: "Em uma República todos os homens são de carne".

Depois da apresentação do relator do caso e da fala do Ministério Público, o advogado René Dotti, que atua a favor da Petrobras, recebeu a palavra.
Ele criticou o esquema de corrupção na Petrobras. Disse que a estatal sofreu um "atentado contra o patrimônio" e lembrou da história da empresa, incluindo a campanha "O petróleo é nosso". Dotti citou ainda o escritor Monteiro Lobato como defensor da criação da companhia. Ele também comparou o combate à corrupção com a tarefa de Winston Churchill, líder do Reino Unido na Segunda Guerra Mundial.

Veja também

Sem máscara, Bolsonaro comemora independência dos EUA com embaixador
Bolsonaro

Sem máscara, Bolsonaro comemora independência dos EUA com embaixador

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore
Estados Unidos

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore