Juiz ordena volta de controle de acesso a terra indígena

Na sexta-feira (28), o deputado estadual Jeferson Alves (PTB-RR), quebrou e levou embora uma corrente usada pelos índios para controlar o acesso noturno à terra indígena

Jeferson Alves (PTB-RR) com a motosserraJeferson Alves (PTB-RR) com a motosserra - Foto: Divulgação

A Justiça Federal determinou que a Funai (Fundação Nacional do Índio) e o governo federal recoloquem correntes de controle de tráfego na BR-174 ,que foram retiradas por um deputado na terra indígena vaimiri-atroari, entre Amazonas e Roraima.

Na sexta-feira (28), o deputado estadual Jeferson Alves (PTB-RR), quebrou e levou embora uma corrente usada pelos índios para controlar o acesso noturno à terra indígena. Para remover o bloqueio, ele usou uma motosserra e gravou um vídeo dirigido ao presidente Jair Bolsonaro.

Leia também:
Neto de Raoni é exonerado da Funai após cacique organizar carta crítica a Bolsonaro
Deputado quebra corrente em terra indígena e grava vídeo para Bolsonaro

Diariamente, às 18h30, índios da etnia vaimiri-atroari nos dois estados pegam correntes e interrompem o tráfego num trecho de 125 km da BR-174, que liga Manaus a Boa Vista.

O mecanismo foi criado nos anos 1970 pelo Exército como forma de proteger motoristas de possíveis ataques dos indígenas. A prática se perpetuou e, com a conclusão do asfaltamento na década de 90, o controle das barreiras passou a ser feito pelos próprios índios. O tráfego é proibido até as 5h30 do dia seguinte. Veículos com carga viva, ambulâncias e ônibus não têm restrição para passar.

"Essa corrente nunca mais vai deixar o meu estado isolado", disse o deputado, que serrou a base de madeira usada para prender a corrente. Não foi esse o entendimento da decisão judicial, proferida pelo juiz federal Felipe Bouzada Flores Viana, da 2ª Vara Federal.

Segundo ele, União e Funai também terão de adotar medidas para evitar atentados aos serviços de controle territorial no trecho que cruza a terra indígena vaimiri-atroari, incluindo os postos de vigilância utilizados pelos índios.

A decisão judicial determina, ainda, que servidores (agentes ou policiais) sejam destacados para "assegurar a manutenção da ordem tendente a impedir a prática de novos atos de usurpação da função jurisdicional no que diz respeito à permanência das correntes, pelo período que se mostrar necessário".

Os indígenas já recolocaram correntes no local e fizeram um protesto no sábado (29).

Veja também

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid
Coronavírus

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid

Bolsonaro multiplica palcos para radicalismo e busca popularidade
Política

Bolsonaro multiplica palcos para radicalismo e busca popularidade