tríplex do Guarujá

Juíza federal do DF reconhece prescrição e arquiva ação contra Lula sobre tríplex do Guarujá

O próprio Ministério Público Federal já havia pedido o arquivamento sob argumento da prescrição

LulaLula - Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

A juíza Pollyanna Kelly, substituta da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, reconheceu a prescrição das acusações contra o ex-presidente Lula no caso conhecido como tríplex do Guarujá e arquivou a ação, em decisão proferida na quinta-feira.

O próprio Ministério Público Federal já havia pedido o arquivamento sob argumento da prescrição. Na decisão, a juíza acolheu a manifestação e apontou que os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro imputados ao petista já estão prescritos.

O caso do tríplex do Guarujá foi a primeira denúncia da Lava-Jato de Curitiba contra o ex-presidente e gerou a condenação em segunda instância pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Regiao (TRF-4) que foi base para a prisão do petista e também para tira-lo da disputa eleitoral de 2018.
 

A condenação foi anulada por uma decisão proferida no ano passado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, que apontou a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba para julgar o petista, por não haver conexão direta com a Petrobras. Posteriormente, a Segunda Turma do STF declarou a suspeição do ex-juiz Sergio Moro, responsável pela condução do caso, o que gerou a anulação de todos os atos da investigação.

Veja também

Cassação de Arthur do Val é publicada no Diário Oficial de São Paulo
Arthur do Val

Cassação de Arthur do Val é publicada no Diário Oficial de São Paulo

STF rejeita dar prazo para Lira avaliar pedido de impeachment de Bolsonaro
Política

STF rejeita dar prazo para Lira avaliar pedido de impeachment de Bolsonaro