Jungmann rebate Dodge e diz confiar na Polícia Civil para apurar caso Marielle

Ministro disse que os responsáveis pela morte da vereadora serão punidos

Ministro Raul JungmannMinistro Raul Jungmann - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, rebateu na noite desta quinta-feira (15) a proposta da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de federalizar a investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), morta noite de quarta-feira (14) no Rio de Janeiro.

Leia também:
PGR abre procedimento que pode federalizar caso sobre morte de vereadora
ONU pede breve elucidação do assassinato da vereadora Marielle Franco
'Morte de Marielle não afeta intervenção no Rio', diz ministro da Justiça


Com a federalização, o inquérito passaria a ser conduzido pela Polícia Federal. "Eu falei com a Raquel Dodge antes de decolar de Fortaleza para cá . Voltei a falar com ela quando cheguei aqui e a convidei para estar conosco. Esse trabalho já está federalizado, porque temos uma intervenção federal acontecendo no Estado. Estamos todos trabalhando juntos. Lembramos que temos confiança no trabalho que está sendo desenvolvido pela Polícia Civil", disse o ministro.

Os militares entendem que a entrada da Polícia Federal deixaria a Polícia Civil do Rio em descrédito.

Um dos objetivos da intervenção é resgatar a capacidade operativa das polícias do Rio. Apesar de se negar a dar detalhes da investigação, Jungmann disse que os responsáveis pela morte da vereadora serão punidos. "Vamos apurar e punir os responsáveis", afirmou o ministro.

Veja também

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet
eleições

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet

Moraes é sorteado relator de inquérito que investiga acusações de Moro contra Bolsonaro
justiça

Moraes é relator de inquérito de Moro contra Bolsonaro