polícia federal

Juscelino Filho prestará depoimento em inquérito sobre suposto desvio de emendas no Maranhão

Ministro das Comunicações nega qualquer irregularidade e disse que vê "com muita tranquilidade" as apurações

Ministro das Comunicações Juscelino FilhoMinistro das Comunicações Juscelino Filho - Foto: Divulgação

A Polícia Federal marcou o depoimento do ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil), para a próxima sexta-feira. Ele será ouvido no âmbito da Operação Odoacro, que investiga um suposto desvio de emendas parlamentares em emendas do ministro para a pavimentação de ruas de Vitorino Freire, no interior do Maranhão

A cidade é comandada pela irmã de Juscelino, Luanna Rezende, que chegou a ser afastada do cargo no ano passado e depois retomou o mandato. O depoimento estava marcado para o último dia 10, na sede da PF, em Brasília, mas foi adiado.

Em nota, o ministério das Comunicações afirmou que Juscelino é "vítima de uma acusação injusta" e é "o maior interessado para que este caso seja esclarecido". "Sua conduta sempre foi pautada pela ética, responsabilidade social e utilização adequada dos recursos públicos para melhorar as condições de vida da população mais pobre", diz o texto enviado pela pasta.

Em entrevista ao Globo, em fevereiro, o ministro afirmou ver "com muita tranquilidade" as apurações e se "colocou à disposição" para dar explicações.

"Cabe ao parlamentar fazer a indicação das emendas, de como vai ser executado por prefeituras, governos locais. Dali para frente, cabe ao Executivo executar e ao órgão de controle fiscalizar. Cada um com seu papel dentro do estabelecido para a execução do Orçamento. E é importante colocar que essa empresa que estava executando essa obra (investigada pela PF) é uma empresa de grande porte no Maranhão, que executa dezenas ou centenas de obras. Não é nada pontual" disse, na ocasião.

A emenda parlamentar investigada foi indicada por Juscelino quando ele era deputado federal. O dinheiro foi enviado por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) do Maranhão. É a primeira vez que um ministro desta gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai à PF prestar depoimento.

Um relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) apontou que 80% da estrada custeada pela emenda beneficiou propriedades dele e de seus familiares na região. O documento da CGU foi revelado pelo jornal “Folha de S. Paulo”.

Em nota, o ministro afirmou que a obra em questão "é um bem do povo de Vitorino Freire e a sua pavimentação, uma demanda antiga da população". "A estrada em questão conecta 11 povoados, onde centenas de pessoas sofrem, diariamente, com grandes desafios para se locomoverem ao trabalho, escolas, hospitais e postos de saúde, especialmente durante períodos chuvosos, quando a via se torna intransitável, isolando essa população", explicou ele.

A obra de pavimentação da estrada foi orçada em R$ 7,5 milhões e tocada pela construtora Construservice, que tinha como sócio oculto o empresário Eduardo José Barros Costa, mais conhecido como "Eduardo DP" ou "Imperador".

Relatório da PF indica que Juscelino integraria uma "organização criminosa" com o empresário com base em mensagens analisadas pelos investigadores no celular de Eduardo DP no período entre 2017 e 2020. O ministro deve ser perguntado sobre a relação que ele mantinha com o empresário, citado em outros inquéritos policiais como agiota.

Veja também

"Quem acredita em Deus não pode temer nada", diz Castro sobre julgamento no TSE
TSE

"Quem acredita em Deus não pode temer nada", diz Castro sobre julgamento no TSE

Defensoria Pública do RS terá apoio de defensorias de todos os Estados do País e DF
Rio Grande do Sul

Defensoria Pública do RS terá apoio de defensorias de todos os Estados do País e DF

Newsletter