Justiça de Minas determina bloqueio de bens de ex-governador mineiro Eduardo Azeredo

Ex-governador já foi condenado criminalmente por peculato e lavagem de dinheiro em processo relativo a caso considerado "embrião" do mensalão

Comunidade do Residencial Nova Vida ganha quadra para prática de esportesComunidade do Residencial Nova Vida ganha quadra para prática de esportes - Foto: Jonas Santos

Um desembargador de Minas Gerais determinou o bloqueio de bens do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) em ação de improbidade administrativa relativa ao episódio conhecido como mensalão tucano.

A decisão liminar (provisória) é do dia 23 de novembro e não define a quantia que deve ser bloqueada das contas de Azeredo. Cabe recurso.

O ex-governador já foi condenado criminalmente por peculato e lavagem de dinheiro em processo relativo ao caso, considerado um "embrião" do mensalão petista, e recorre em liberdade.

Segundo o Ministério Público, foram desviados cerca de R$ 3,5 milhões (cerca de R$ 14 milhões, corrigidos) em recursos públicos para irrigar a fracassada campanha de reeleição de Azeredo, em 2008. Ele nega que tivesse conhecimento do esquema.

Na decisão que bloqueia os bens, o desembargador Jair Varão, relator do processo, justifica a medida ao dizer que Azeredo era "o maior beneficiário da campanha eleitoral" e que não é "crível que o candidato à governadoria do Estado, ocupante do cargo de governador do Estado à época, não estava a par da origem dos recursos destinados à sua própria campanha eleitoral".

Segundo o magistrado, há "fortes indícios" de que houve lesão aos cofres públicos.
O advogado de Azeredo, Castellar Guimarães Neto, disse que irá esperar a decisão do mérito, tomada por ao menos três desembargadores, e que tem "plena confiança" de que será retirado do processo.

Em agosto, a Justiça de Minas Gerais já havia bloqueado, em primeira instância, bens de outros réus na ação, como o publicitário Marcos Valério, o ex-senador Clésio Andrade (PMDB) e outras cinco pessoas, mas Azeredo não foi incluído. O Ministério Público recorreu e o desembargador Varão aceitou os argumentos.

Para Guimarães Neto, o fato de o juiz não ter incluído Azeredo no processo em agosto é "uma situação muito evidente" de que não há indícios de envolvimento dele no desvio do dinheiro.

A ação foi proposta inicialmente pela Procuradoria-Geral da República ao STF (Supremo Tribunal Federal) no fim de 2003, mas foi enviada à Justiça mineira em 2014, após renúncia de Clésio e Azeredo.

A acusação civil trata da transferência, sem licitação, de dinheiro de empresas públicas de Minas Gerais para as firmas de publicidade de Valério. Clésio era candidato a vice-governador e sócio em uma dessas agências.

Tanto o ex-senador como o publicitário sempre negaram ter cometido qualquer irregularidade. Valério, no entanto, negocia um acordo de delação premiada sobre os mensalões.

Veja também

Apex retira do ar artigo que recomendava livros de desafetos do governo Bolsonaro
Conteúdo removido

Apex retira do ar artigo que recomendava livros de desafetos do governo Bolsonaro

Fundo estrangeiro rebate Mourão, vê diálogo ‘vazio’ e cobra política ambiental
Negócios

Fundo estrangeiro rebate Mourão, vê diálogo ‘vazio’ e cobra política ambiental