Justiça de São Paulo aceita denúncia contra Vaccari e Léo Pinheiro

Acusação trata de irregularidades nos empreendimentos ligados à Bancoop

Presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE)Presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) - Foto: Arthur de Souza/Folha PE

A juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ), aceitou ontem (13) denúncia do Ministério Público do estado (MP) contra o ex-presidente da construtora OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, e o ex-tesoureiro do PT e ex-presidente da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop), João Vaccari Neto, além de mais dez investigados.

A acusação trata de irregularidades nos empreendimentos Casa Verde, Liberty Boulevard, Mar Cantábrico (atual Solaris), Ilhas D'Itália, A'Bsoluto, Colina Park e Altos do Butantã, todos da Bancoop. Léo Pinheiro é acusado de associação criminosa e estelionato. João Vaccari é acusado de associação criminosa, falsidade ideológica e estelionato.

O advogado de Vaccari, Luiz Flávio Borges D'Urso, disse que “a defesa entende a denúncia absolutamente imprópria, porque as questões apontadas nessa denúncia já estão sendo examinadas no outro processo da Bancoop, na 5ª vara criminal, o qual está em fase de sentença”. Ele acrescentou que, no processo da 5ª vara, “a conduta de João Vaccari Neto enquanto dirigente da Bancoop se demonstrou absolutamente ilibada”. A assessoria da OAS disse que não vai se manifestar.

A Bancoop é uma cooperativa criada em 1996 pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo para construir conjuntos habitacionais para seus associados. O Ministério Público suspeita, no entanto, que a cooperativa não tenha cumprido a promessa de entregar imóveis quitados a seus cooperados e que tenha servido, na verdade, para captar recursos de caixa 2 para o PT. No período de 2005 a fevereiro de 2010, Vaccari comandou a Bancoop.

Lula

A denúncia recebida hoje envolvia inicialmente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sua esposa Marisa Letícia, o filho do casal Fábio Luis Lula da Silva e o triplex 164-A no Solaris, no Guarujá (SP), que era um empreendimento da Bancoop e, em 2009, foi transferido à OAS por uma decisão dos cooperados. Em março, o TJ-SP mandou essa denúncia do MP-SP, que incluía a acusação e o pedido de prisão de Lula, para o juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato.

A força-tarefa da Lava Jato denunciou Lula à Justiça Federal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Segundo os procuradores da República, Lula recebeu R$ 3,7 milhões de propina de empresas envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras, por meio de vantagens indevidas, como a reforma de um apartamento triplex no Guarujá (SP), e pagamento de despesas com guarda-volumes para os objetos que Lula ganhou quando estava no cargo. As vantagens teriam sido pagas pela empreiteira OAS.

Em 20 de setembro, o juiz Moro aceitou denúncia da procuradoria e determinou então a devolução, à Justiça de São Paulo, dos autos enviados pela juíza Maria Priscilla, referentes aos delitos de competência estadual. Ele pediu a exclusão das acusações contra Lula e sua família, porque considerou que estão sob jurisdição federal.

Na ocasião, o juiz decidiu pela “supressão porém de todas as imputações relacionadas ao ex-presidente da República e seus familiares e igualmente em relação a qualquer fato envolvendo o apartamento 164-A do Condomínio Solaris”.

Veja também

Sem máscara, Bolsonaro comemora independência dos EUA com embaixador
Bolsonaro

Sem máscara, Bolsonaro comemora independência dos EUA com embaixador

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore
Estados Unidos

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore