Justiça Federal adia mais uma vez retorno de Funaro ao presídio da Papuda

Dois adiamentos atenderam a pedido dos procuradores responsáveis pela Operação Greenfield

O analista financeiro Lúcio Bolonha Funaro foi preso preventivamente há mais de um anoO analista financeiro Lúcio Bolonha Funaro foi preso preventivamente há mais de um ano - Foto: Lula Marques/Folhapress

A 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, decidiu adiar novamente a transferência do analista financeiro Lúcio Funaro da superintendência da Polícia Federal em Brasília para o presídio da Papuda. Funaro foi transferido para a sede da PF na capital federal no início deste mês e permanecerá no local até pelo menos o dia 28 de julho, a pedido do Ministério Público Federal (MPF). As informações são da Agência Brasil.

É a segunda vez que o doleiro, preso há mais de um ano, tem seu retorno ao presídio da Papuda, no Distrito Federal, adiado por decisão do juiz Vallisney de Souza Oliveira.

Leia mais
Defesa de Temer quer ter acesso a gravações periciadas pela Polícia Federal


Os dois adiamentos atenderam a pedido dos procuradores responsáveis pela Operação Greenfield, que investiga fraudes e irregularidades na administração de quatro dos maiores fundos de pensão de empresas públicas do país: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios).

No pedido, os procuradores alegaram a "necessidade de se colher novos esclarecimentos" a respeito de fatos revelados nas investigações de outras duas operações, a Sépsis e a Cui Bono?, dentro das quais Funaro também é suspeito de participação em crimes.

A Operação Sépsis apura irregularidades no FI-FGTS (Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), administrado pela Caixa. A Cui Bono? investiga a fraude em operações financeiras autorizadas pela vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias e pela vice-presidência de Pessoa Jurídica da Caixa.
Funaro é testemunha-chave em processos que envolvem o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ex-ministros do governo do presidente Michel Temer, como Henrique Eduardo Alves (Turismo) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo).

Segundo divulgado pela imprensa, ele estaria negociando um acordo de delação premiada com o MPF, embora sua defesa ainda negue as tratativas. A permanência de Funaro na PF teria o efeito de facilitar o contato direto com os procuradores.

Veja também

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas
Coronavírus

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina
Coronavírus

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina