Justiça libera ex-ministro Henrique Alves, que cumpria prisão domiciliar

Ele estava preso desde 6 de junho do ano passado por suspeita de envolvimento em desvios nas obras da Arena das Dunas, em Natal

Ex-ministro do Turismo, Henrique AlvesEx-ministro do Turismo, Henrique Alves - Foto: Pozzebom/Agência Brasil

A Justiça Federal no Rio Grande do Norte determinou a libertação do ex-ministro Henrique Eduardo Alves (MDB-RN), preso desde 6 de junho do ano passado por suspeita de envolvimento em desvios nas obras da Arena das Dunas, em Natal. O juiz Francisco Eduardo Guimarães Rosa, da 14ª Vara, atendeu a um pedido da defesa e estendeu a Alves efeitos da decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que revogou a prisão de outro réu no mesmo processo, o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ).

Cunha, no entanto, permanente encarcerado porque tem ordens de prisão vigentes em outros casos. O advogado de Alves, Marcelo Leal, disse que seu cliente já foi solto na manhã desta sexta (13). A defesa alegou excesso de prazo na prisão de Alves. Inicialmente, ele a cumpria em regime fechado. Mais recentemente, a Justiça Federal acolheu pedido para transferi-lo para o domiciliar.

Leia também:
Henrique Alves chora e diz que terceiros movimentaram sua conta
MPF denuncia Henrique Alves e Eduardo Cunha por corrupção passiva


"Quanto ao pedido de extensão ao acusado Henrique Eduardo Alves dos efeitos da decisão liminar que determinou a soltura de Cunha por excesso de prazo, considerando que há nos autos manifestação do Ministério Público Federal (MPF) pela concessão do pedido e que os fundamentos adotados pelo ministro Marco Aurélio Mello se aplicam, pelas mesmas razões, ao ora requerente, defiro-o, determinando a expedição de alvará de soltura", escreveu o magistrado.

Veja também

Supremo confirma decisão que declarou Moro parcial em caso de Lula
Parcialidade

Supremo confirma decisão que declarou Moro parcial em caso de Lula

Alvo de investigações, Ricado Salles pede demissão do governo
Meio Ambiente

Alvo de investigações, Ricado Salles pede demissão do governo