Justiça nega pedido da mulher de Cunha para repatriar recursos

Magistrada ressaltou que o programa de repatriação prevê a declaração de recursos que foram obtidos de forma lícita no exterior

Líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE)Líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE) - Foto: Roberto Stuckert Filho/Divulgação

A Justiça Federal no Distrito Federal negou, nesta sexta-feira (28),  pedido da jornalista Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para repatriar recursos que estão no exterior. Na decisão, a juíza Diana Maria de Silva entendeu que a Lei da Repatriação proíbe que políticos e familiares possam aderir ao programa da Receita Federal.

Na decisão, a magistrada ressaltou que o programa de repatriação prevê a declaração de recursos que foram obtidos de forma lícita no exterior. Além disso, a juíza disse que “é de conhecimento notório” que Cláudia Cruz é ré em uma das ações penais da Operação Lava Jato.

“Portanto, há indícios veementes, e que precisam ser esclarecidos, de que os recursos, bens e direitos, os quais a demandante pretende a regularização como lícitos, podem ser oriundos da persecução de crimes perpetrados, e, por conseguinte, não sejam de titularidade da parte autora, se forem considerados ilícitos; sendo imprescindível o desfecho da querela penal”, decidiu a juíza.

Em junho, Moro recebeu denúncia apresentada pela força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato contra Cláudia Cruz e outros investigados que viraram réus. A denúncia é vinculada à ação penal a que Cunha responde por não ter declarado contas na Suíça e por, supostamente, ter recebido propina em contrato da Petrobras para exploração de petróleo no Benin.

Veja também

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial
auxílio emergencial

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC
política

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC