Justiça suspende decreto de Bolsonaro que exonerou peritos de mecanismo de combate à tortura

A liminar do juiz Osair de Oliveira Jr., da 6ª Vara Federal do RJ, determina que os onze peritos sejam reintegrados aos cargos comissionados, com remuneração

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Reprodução/Instagram

A Justiça do Rio de Janeiro suspendeu decreto do presidente Jair Bolsonaro que extinguiu os cargos do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT).

A liminar do juiz Osair de Oliveira Jr., da 6ª Vara Federal do RJ, diz que "a não extinção do órgão não significa que o mesmo continue em funcionamento" e determina que os onze peritos sejam reintegrados aos cargos comissionados, com remuneração.

O jornal Folha de S.Paulo mostrou que, depois de exonerar todos os peritos do Mecanismo que monitora violações de direitos humanos, o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos retirou o apoio administrativo ao colegiado.

Leia também:
Pergunta para o Guedes, diz Bolsonaro sobre indicadores
"Ideologia de gênero é coisa do capeta", diz Bolsonaro

Em junho, o presidente Bolsonaro editou decreto que retirou os cargos formais dos membros do colegiado, transformando em atividade não remunerada.

Segundo peritos ouvidos pela reportagem, o grupo continuou trabalhando por dois meses sem receber, até ter o acesso ao prédio do ministério limitado.

O MNPCT foi criado em 2013 e faz estudos e relatórios sobre violações de direitos humanos no país. Foram eles, por exemplo, que elaboraram relatórios sobre a situação de presídios como o Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), no Amazonas, onde 111 presos foram mortos em massacres de 2017 a 2019.

Ele foi instituído para cumprir um compromisso internacional assumido pelo Brasil na ONU. Em fevereiro, os peritos já tinham acusado o ministério comandado por Damares Alves de impedir uma viagem para apurar denúncias no Ceará.

Veja também

Flávio Dino diz que vai processar Bolsonaro por propaganda política em viagem ao Maranhão
política

Flávio Dino diz que vai processar Bolsonaro por propaganda política em viagem ao Maranhão

STF suspende julgamento sobre legalidade de revista íntima em presídio
justiça

STF suspende julgamento sobre legalidade de revista íntima em presídio