Política

Kirchner e Lula defendem renovação da política e reconstrução da unidade latino-americana

Eles destacaram a necessidade de reconstruir unidade latino-americana

Ex-presidente LulaEx-presidente Lula - Foto: MIGUEL SCHINCARIOL / AFP

Os ex-presidentes Cristina Kirchner e Luiz Inácio Lula da Silva destacaram a necessidade de renovar o debate político para enfrentar "os novos direitos" e reconstruir a unidade latino-americana, com o lançamento de um seminário virtual sobre política externa regional, nesta sexta-feira (14).

No marco da assinatura de um acordo de cooperação entre o Instituto Pátria, da Argentina, e o Instituto Lula, a ex-presidente argentina (2007-2015), hoje vice-presidente, instou a “quebrar os moldes em que se discute e se dirige os novos desafios" apresentados pela pandemia de Covid-19.

“A política vai ser necessária mais do que nunca diante das novas direitas que procuram abolir a política. É fundamentalmente necessário que nos estimulemos a novos pensamentos, novas ideias, novas associações, novas cooperações”, declarou Kirchner.

A ex-presidente argentina apelou aos militantes e líderes para "um debate político sério e profundo, sem dogmatismos".

O acordo de cooperação entre os dois institutos começará com um seminário virtual de cinco sessões intitulado "Um projeto comum: integração e soberania".

Kirchner lembrou que em 2016, após deixar o governo, fundou o Instituto Pátria, de pensamento e debate político, inspirado no Instituto Lula.

Por sua vez, o ex-presidente brasileiro (2003-2010) destacou o acordo entre os dois institutos, que visa "formar politicamente os futuros líderes (...) e mostrar que é possível construir outra América do Sul, outra América Latina".

Lula classificou o período em que ele e Dilma Rousseff governaram o Brasil, Hugo Chávez a Venezuela, Néstor e Cristina Kirchner a Argentina, Ricardo Lagos e Michèle Bachelet o Chile, Tabaré Vázquez e José Mujica o Uruguai, Fernando Lugo o Paraguai, Evo Morales a Bolívia e Rafael Correa o Equador como o "melhor momento da América Latina".

“Foi um momento maravilhoso, de esperança, de luz, um momento em que pudemos acreditar que nosso continente poderia construir um bloco forte, político, econômico e com uma cultura latino-americana”, afirmou.

“Infelizmente, os golpes mais uma vez destruíram nossos sonhos. Mas, mesmo assim, não desanimamos, estamos nos recuperando”, acrescentou Lula, que não descarta se candidatar novamente à presidência nas eleições de 2022.

“Dias melhores virão e, finalmente, poderemos construir a grande pátria, a grande América do Sul”, concluiu o petista.

Veja também

Governo defende que civis sejam julgados pela Justiça Militar em caso de ofensa às Forças Armadas
Brasil

Governo defende que civis sejam julgados pela Justiça Militar em caso de ofensa às Forças Armadas

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid
Coronavírus

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid