Lava Jato passa a ter força-tarefa para investigações em São Paulo

Quatro procuradores vão se debruçar sobre 14 das 29 petições encaminhadas, em abril, à Justiça paulista pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação no STF

Polícia Federal agindo na Operação Lava Jato Polícia Federal agindo na Operação Lava Jato  - Foto: Rovena Rosa/Arquivo Agência Brasil

A Lava Jato começou a chegar a São Paulo, oficialmente, na quinta-feira (20). O MPF (Ministério Público Federal) paulista anunciou a criação de uma força-tarefa que vai investigar as denúncias feitas por executivos da Odebrecht, em seus acordos de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República.

Quatro procuradores vão se debruçar sobre 14 das 29 petições encaminhadas, em abril, à Justiça paulista pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação no STF (Supremo Tribunal Federal). Em 10 de julho, o MPF havia pedido a instauração de 12 inquéritos ligados à Lava Jato.

Na lista de tarefas, estão a apuração do pagamento de propina nas obras da linha 2-verde do Metrô e, também, para favorecer a Odebrecht em um acordo judicial na construção da rodovia Carvalho Pinto.

No caso do Metrô, a Odebrecht diz que, em 2006, subornou, por um total de R$ 17,9 milhões, o ex-governador José Serra (PSDB) e diretores da companhia para reativar um contrato de 1991 ao retomar as obras do sistema de transporte. Com isso, o custo ficou R$ 37,7 milhões mais caro.

No que diz respeito à rodovia, a empreiteira relatou ter pago R$ 23 milhões a Serra, entre 2009 e 2010. Em troca, o governo de São Paulo pagou a uma das empresas do grupo R$ 191,6 milhões pendentes de obras na Carvalho Pinto.

Dos casos que serão analisados, seis são relativos ao PSDB (incluindo as obras do governo paulista), seis ao PT e um envolvendo o ex-presidenciável Eymael (PSDC).

A maioria diz respeito ao pagamento de doações ilícitas durante as eleições para os legislativos federal e estadual em 2010.

Diferentemente dos colegas de Curitiba, os procuradores de São Paulo não se dedicarão exclusivamente à Operação. Segundo o MPF, uni-los em um grupo permitirá que eles possam trocar informações. Além disso, pode haver mais de um procurador para cada caso, o que deve agilizar as investigações. São eles: Thiago Lacerda Nobre, José Roberto Pimenta Oliveira, Anamara Osório Silva e Thaméa Danelon Valiengo.

Veja também

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral
Política

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral

Apoiadores de Bolsonaro convocam caravanas pelo país a favor de Arthur Lira e voto impresso
Bolsonaro

Apoiadores de Bolsonaro convocam caravanas pelo país a favor de Arthur Lira e voto impresso