Lava Jato tenta bloquear R$ 221 mi de Cunha, mas encontra contas zeradas

Como parlamentar, o deputado cassado Eduardo Cunha recebia um salário bruto de R$ 33,8 mil

Jumanji - Próxima Fase Jumanji - Próxima Fase  - Foto: Reprodução/ Adorocinema

Um pedido de bloqueio de R$ 221 milhões feito em uma ação que corre em paralelo às investigações da Operação Lava Jato encontrou quatro contas do ex-deputado Eduardo Cunha com saldo zero. O pedido judicial feito ao Banco Central só encontrou recursos nas contas da mulher do deputado cassado, a jornalista Claudia Cordeiro Cunha. Ela tem R$ 623,5 mil em duas contas, os quais foram bloqueados em junho, dias depois de o pedido ter sido apresentado à Justiça.

Como parlamentar, Cunha recebia um salário bruto de R$ 33,8 mil. Ele foi cassado em 12 de setembro, três meses depois de a Justiça ter decidido bloquear os R$ 221 milhões numa ação de improbidade. No caso de Claudia, a Justiça decidiu bloquear R$ 17,85 milhões. A ação visa reparar os supostos prejuízos que o deputado teria causado à Petrobras no caso da venda de um campo de petróleo em Benin, na África, para um empresário português em 2011. Nessa ação, Cunha é acusado de ter recebido o equivalente a US$ 1,5 milhão em propina, o correspondente hoje a R$ 4,75 milhões.

O valor foi depositado numa conta na Suíça por ordem do empresário português Idalécio Oliveira, que comprou os campos da Petrobras por US$ 34,5 milhões, segundo a acusação dos procuradores. A propina total da venda do campo de petróleo foi de US$ 10 milhões, ainda de acordo com os procuradores da Lava Jato.

A venda foi negociada pela diretoria internacional da Petrobras, que em 2011 era ocupada por Jorge Zelada, indicado ao cargo pelo PMDB. A ação corre na 6ª Vara Federal de Curitiba, que tem como titular o juiz Augusto Gonçalves. A defesa de Cunha tentou evitar o bloqueio, mas o Tribunal Regional Federal do Porto Alegre, que julga os recursos de Curitiba, recusou o pedido. Procurada pela reportagem na noite desta quarta (19), a defesa de Cunha na ação de improbidade não quis se pronunciar.

Veja também

Governo decide prorrogar até abril de 2021 presença das Forças Armadas na Amazônia Legal
Meio Ambiente

Governo decide prorrogar até abril de 2021 presença das Forças Armadas na Amazônia Legal

STF nega maioria das solturas como a obtida por André do Rap
Justiça

STF nega maioria das solturas como a obtida por André do Rap