Lewandowski vota a favor de habeas corpus para evitar prisão de Lula

No início de seu voto, o ministro entendeu que a Constituição determina que ninguém pode ser preso antes da uma decisão transitada em julgada

Ministro Ricardo LewandowskiMinistro Ricardo Lewandowski - Foto: Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski votou há pouco a favor da concessão de habeas corpus preventivo para evitar a execução provisória da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após fim de todos os recursos na segunda instância da Justiça Federal. Com o voto do ministro, o placar do julgamento está em 5 votos a 3 contra o habeas corpus.

Leia também:
Dias Toffoli vota a favor de habeas corpus de Lula; placar fica em 5 a 2
Fux vota contra habeas corpus de Lula e placar está 5 a 1


No início de seu voto, o ministro entendeu que a Constituição determina que ninguém pode ser preso antes da uma decisão transitada em julgada, ou seja, após o fim de todos os recursos possíveis, e não após a segunda instância. Lewandowski considerou que o julgamento representa “um momento grave na história” do tribunal.

Leia também:
Rosa Weber vota contra Lula, e habeas corpus de Lula deve ser negado
Barroso profere terceiro voto contra habeas corpus para evitar prisão de Lula
Alexandre de Moraes vota contra habeas corpus de Lula


Para o ministro, a concessão do habeas corpus “não significaria que os malfeitores seriam imediatamente libertados, porque eles seguirem preso, se fosse o caso, por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente”.

Leia também:
Gilmar Mendes vota a favor de habeas corpus para evitar prisão de Lula
Ministro Fachin vota contra habeas corpus preventivo de Lula


Até o momento, votaram contra a concessão do habeas corpus o relator, Edson Fachin, Alexandre de Mores, Luís Roberto Barroso e Rosa Weber. Gilmar Mendes e Dias Toffoli se manifestaram contra. Faltam os votos dos ministros Marco Aurélio, Celso de Mello e a presidente, Cármen Lúcia.

No pedido de habeas corpus, a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenta impedir eventual prisão após o fim dos recursos na segunda instância da Justiça Federal, com base no entendimento da Corte, que autoriza a medida desde 2016. Lula foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a nove anos e seis meses de prisão e pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que aumentou a pena para 12 anos e um mês na ação penal do tríplex do Guarujá (SP), na Operação Lava Jato.

Veja também

PF investiga esquema de corrupção em liberação de licenças ambientais
Meio ambiente

PF investiga esquema de corrupção em liberação de licenças ambientais

Após pedido de licença de Chico Rodrigues do Senado, ministro Barroso suspende afastamento do senado
STF

Após pedido de licença de Chico Rodrigues do Senado, ministro Barroso suspende afastamento do senado