Política

Lira defende 'saída negociada' para crise entre Poderes

Presidente da Câmara também afirmou que é preciso 'trazer moderação e equilíbrio para que o Brasil não sofra com mais problemas'

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PL-AL)Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PL-AL) - Foto: Divulgação

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta terça-feira (3) que os chefes dos Poderes vão encontrar "uma saída negociada" para aliviar o que chamou de momento de tensão que envolve o período pré-eleitoral. Segundo ele, é preciso trazer moderação e equilíbrio para que o Brasil não sofra com mais problemas do que os que já se apresentam em decorrência da pandemia da Covid-19.

Lira afirmou, ainda, que tem mantido diálogo constante com os presidentes da República, Jair Bolsonaro, do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux.

"Tenho conversado muito de perto com o presidente (Rodrigo) Pacheco, com o presidente (Luiz) Fux, com o presidente (Jair) Bolsonaro... E nós vamos encontrar, não tenho dúvida, uma saída negociada para aliviar o momento de pressão, de tensão, quase que de um período pré-eleitoral", disse Lira, em conversa com jornalistas.

Lira não participou da reunião que ocorreu hoje entre Pacheco e Fux. Ele alegou questões de agenda para justificar sua ausência.

"Ainda não conversei com Pacheco e Fux após a reunião, mas tenho uma clara ideia de que os assuntos devem ter sido exatamente isso, apaziguar os ânimos, acalmar, porque as discussões são sempre as mesmas", declarou.

E acrescentou:

"Em um período como agora temos que trazer transparência, moderação e equilíbrio para que o Brasil não sofra com mais problemas do que os que já se apresentam ainda do final da pandemia e da guerra em atividade entre Rússia e Ucrânia", disse.

Depois do encontro com Fux, Pacheco disse que "anomalias graves", como declarações sobre fechamento do Supremo, precisam ser combatidas e contestadas "a cada instante":

"O que nós não podemos é permitir que o acirramento eleitoral — que é natural do processo eleitoral e das eleições — possa descambar para aquilo que eu reputei como anomalias graves e se permitir falar sobre intervenção militar, sobre atos institucionais, sobre frustração de eleições, sobre fechamento do Supremo Tribunal Federal. Essas são anomalias graves que precisam ser contidas, rebatidas com a mesma proporção a cada instante porque todos nós, todas as instituições, têm obrigações com a democracia, com o estado de direito, com a Constituição", afirmou.

Veja também

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro
Bolsonaro

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro
Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro

Newsletter