Congresso

Lira nega que Bolsonaro vá viajar para não sancionar o Orçamento deste ano

O presidente Jair Bolsonaro tem até o dia 22 de abril para sancioná-la ou não

Lira: "Orçamento é crucial e será tratado com responsabilidade"Lira: "Orçamento é crucial e será tratado com responsabilidade" - Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse que o Orçamento da União deste ano será tratado com responsabilidade pelos parlamentares. Segundo ele, o País vive um momento econômico grave e de crise sanitária. Lira negou informação publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, que afirmou que Bolsonaro poderia viajar para fora do País, juntamente com o vice-presidente, Hamilton Mourão, para que ele (Lira) sancionasse o Orçamento. Na ausência do presidente e do vice, o presidente da Câmara assume a Presidência da República.

A reportagem afirma que essa solução foi pensada para resolver o impasse da sanção da lei orçamentária. O presidente Jair Bolsonaro tem até o dia 22 de abril para sancioná-la ou não. O texto causa polêmica devido a cortes feitos em despesas obrigatórias e é alvo de negociação entre Executivo e Legislativo. Os cortes em despesas obrigatórias da Previdência, do auxílio-doença e do seguro-desemprego seriam para gastos com pleitos de parlamentares.

=> Estudos da Câmara e do Senado apresentam sugestões para ajustar Orçamento deste ano

“O País vive um momento grave de perdas e crise sanitária. O Orçamento é crucial e será tratado por mim e pela Câmara com responsabilidade. Desminto com veemência o conteúdo desta matéria do Estadão. O cidadão merece uma apuração sem 'disse me disse' e calcada na verdade”, afirmou Lira por meio de suas redes sociais.

Veja também

Lula lidera pesquisa eleitoral para 2022 e marca 49% contra 23% de Bolsonaro
Eleições 2022

Lula lidera pesquisa eleitoral para 2022 e marca 49% contra 23% de Bolsonaro

Reforma prevê blindar políticos que espalham fake news em ano de eleição
FAKE NEWS

Reforma prevê blindar políticos que espalham fake news em ano de eleição