ministério público

Lista dos que traíram Lira na PEC do Ministério Público tem de PP ao PSDB

Entre os partidos que orbitam na Câmara em torno de Lira, o mais infiel foi o PSDB, que liberou a bancada para votar como bem entendesse

Lira: estamos a favor do povo que nos elegeuLira: estamos a favor do povo que nos elegeu - Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputado

O ranking da traição ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), na votação da PEC do Ministério Público mostra que nem mesmo o PP, legenda do parlamentar, foi totalmente fiel a ele.

Do total de deputados do partido, 85,7% seguiram Lira e votaram na proposta que modificava a composição nacional do Conselho Nacional do Ministério Público, órgão que fiscaliza procuradores e promotores. Outros 11,9% votaram contra, e 2,4% não apareceram.


Entre os partidos que orbitam na Câmara em torno de Lira, o mais infiel foi o PSDB, que liberou a bancada para votar como bem entendesse. Resultado: 67,7% votaram contra a proposta e a favor das teses dos procuradores.

Depois dele no ranking dos "traidores" vêm as bancadas do Podemos (50% contra a proposta de Lira e 50% a favor), do Pros (50% contra Lira e 40% a favor), do Patriota (50% contra e 33% a favor) e do PSL (48% contra e 42% a favor). Dos partidos alinhados com Lira e Jair Bolsonaro, os mais fieis depois do PP foram o PTB de Roberto Jefferson (80% com o presidente da Câmara e 10% contra) e o PL (72% a 16%).

Uma "traição" mereceu registro especial: a do líder do PSD, Antonio Brito. A orientação de seu partido era o voto "sim" na proposta. Mas ele cravou "não".

O PT votou em peso a favor da proposta, apresentada por um parlamentar do partido, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP): 96,2% votaram a favor da mudança na fiscalização do MP. Um parlamentar está viajando e apenas um se absteve.

Veja também

Empates não podem beneficiar investigados em ações penais, decide FuxSTF

Empates não podem beneficiar investigados em ações penais, decide Fux

Emendas de relator não são ilícitas e vão salvar o Brasil, diz PachecoPolítica

Emendas de relator não são ilícitas e vão salvar o Brasil, diz Pacheco