BRASIL

Lula assina decreto para preparar o Brasil para a presidência do G20

País assumirá a liderança do grupo dos mais ricos do mundo de dezembro deste ano a novembro de 2024

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva O presidente Luiz Inácio Lula da Silva  - Foto: Ricardo Stuckert/PR

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou um decreto, publicado nesta quarta-feira, criando uma estrutura administrativa para que o Brasil possa exercer a presidência do G20, a partir de 1º de dezembro de 2023. O grupo é formado pelas economias mais ricas do mundo, incluindo Estados Unidos, China e vários países europeus.

A ideia é preparar o governo para algo inédito na história da diplomacia brasileira. Até 30 de novembro do ano que vem, quando o Brasil deixará o comando do bloco, está prevista mais de uma centena de reuniões em diversos níveis. O ponto máximo será um encontro de cúpula de líderes do G20 no Rio de Janeiro, nos dias 18 e 19 de novembro de 2024.

A última vez que o Brasil liderou o grupo foi há 16 anos. Em 2008, quando estourou uma grave crise financeira internacional, a atuação do Banco Central brasileiro, fortaleceu a imagem do país no exterior.

O decreto institui a Comissão Nacional para a Coordenação da Presidência Brasileira do G20, que será integrada por 39 órgãos da Administração Federal. Nesse formato, o comando se divide entre duas frentes. Uma delas é com o 'sherpa', que trata da parte política, e estará a cargo do secretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, Maurício Lyrio. O órgão também ficará com a função de planejar e executar medidas de organização e logística.
 

A outra linha de atuação é na área financeira, cujo responsável deve ser alguém da Secretaria de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda. Existem, atualmente, quinze linhas temáticas a serem tratadas pela diplomacia e outras oito a cargo da área econômica do governo.

"Dado o importante papel do G20 na discussão de temas centrais para a governança global, com a participação tanto de países desenvolvidos quanto de países em desenvolvimento, a presidência desse agrupamento representará oportunidade única para que o Brasil projete suas prioridades de política externa e suas políticas públicas internas nas áreas de atuação do grupo", destaca uma nota do Ministério do Ministério das Relações Exteriores sobre o decreto.

Veja também

Fachin vota para reconhecer que escolas devem combater discriminações
Fachin

Fachin vota para reconhecer que escolas devem combater discriminações

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS
SUS

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS

Newsletter