Lula cogita não se entregar à PF

Segundo dirigentes petistas, a militância do partido e integrantes de movimentos sindicais e sociais, além de parlamentares, farão uma espécie de vigília a partir da noite desta quinta no Sindicato dos Metalúrgicos, um dos berços do partido, para apoiar L

Ex-presidente LulaEx-presidente Lula - Foto: Nelson Almeida / AFP

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cogita não se entregar à Polícia Federal nesta sexta-feira (6) e quer "resistência pacífica" em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, no ABC paulista. Este é o local onde Lula pretende estar ao final do prazo estabelecido pelo juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato em Curitiba, para que ele se apresente de maneira voluntária até as 17 horas desta sexta, na sede da PF.

O ex-presidente avaliava se entregar, mas decidiu repensar essa possibilidade após a decisão de Moro, que expediu seu mandado de prisão nesta quinta-feira (5) antes de encerrados os embargos no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4a Região). Lula ainda está conversando com seus advogados, mas disse a aliados que postura de Moro foi "arbitrária" e que, portanto, estava reavaliando uma possível apresentação voluntária à cúpula da polícia.

Segundo dirigentes petistas, a militância do partido e integrantes de movimentos sindicais e sociais -base histórica da sigla-, além de parlamentares, farão uma espécie de vigília a partir da noite desta quinta no Sindicato dos Metalúrgicos, um dos berços do partido. Lá devem esperar que a PF busque o ex-presidente e o leve a Curitiba. Lula quer que as pessoas se mobilizem, mas não estimula nenhuma reação violenta para impedir que ele seja preso.

Leia também
Ordem de prisão de Lula atropela planos petistas
Lula não usará algemas e terá sala reservada, assegura Moro
Decisão do STF não significa prisão imediata de Lula
Sérgio Moro determina prisão de Lula; veja ofício do TRF4
Decisão do STF abre caminho para prisão do ex-presidente Lula

Como mostrou a Folha de S.Paulo, o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, escalou emissários para negociar com o PT os termos para a prisão do ex-presidente. Três pessoas próximas a Lula foram procuradas com o objetivo de abrir diálogo para acertar as condições e o local do encarceramento.

O ideal para a cúpula policial é que o petista se apresente por conta própria na sede da PF, em Curitiba, onde há uma sala que foi adaptada para virar a cela que receberá o ex-presidente. Dentro dela, uma cama, uma mesa e um banheiro exclusivo. Nesta quarta-feira (4), o STF (Supremo Tribunal Federal) negou, por 6 votos a 5, o habeas corpus preventivo impetrado pela defesa do ex-presidente e acelerou o relógio para que Moro cumprisse a ordem de prisão contra Lula.

Leia também
Advogados pedem liminar para impedir prisões de condenados em segundo grau
Prisão de Lula não pode ser festejada, diz Maia
Opositor de Lula é hospitalizado após confusão no instituto
PT convoca 'mobilização geral' após ordem de prisão contra Lula

Lula deixa sede do Instituto Lula para destino ignorado


   Sindicato

Petistas estão se organizando para o ex-presidente Lula passar a noite em vigília com os sindicalistas no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Eles estão se mobilizando para ele não se entregar. A ideia é ter a imagem da PF entrando no sindicato para tirá-lo de lá. O local é simbólico para os petistas, onde Lula começou sua vida pública.

Veja também

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico
Plebiscito

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico

Ministério Público investiga obras de estradas do governo Doria
Justiça

Ministério Público investiga obras de estradas do governo Doria