BRASIL

Lula convida líderes para almoço no Alvorada após atritos de ministros com Lira

A ideia é que os parlamentares sigam direto para a residência presidencial logo após à Cerimônia do Dia do Exército, realizada na manhã desta sexta-feira, no quartel-general da Força

Lula, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ministros e líderes partidários durante reunião no Palácio, em fevereiro da AlvoradaLula, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ministros e líderes partidários durante reunião no Palácio, em fevereiro da Alvorada - Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve se reunir com líderes do Congresso e com o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, no Palácio da Alvorada, nesta sexta-feira, para tratar de projetos que preocupam o Executivo. O encontro não está na agenda oficial do presidente, mas foi confirmado por pessoas a par do assunto ao Globo.

O convite acontece a menos de uma semana do Congresso Nacional avaliar os vetos de Lula ao projeto de lei que barrou "saidinha" de presos e à parte do montante destinado pelos parlamentares às emendas de comissão. Também vem na esteira do avanço da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que turbina o vencimento de juízes, que pode gerar impacto estimado em até R$ 42 bilhões por ano aos cofres públicos.

Como mostrou O GLOBO, aliados do presidente passaram a temer que os problemas na articulação política do governo se aprofunde, com risco de novas derrotas no Congresso. O entendimento é que a crise escalou a um ponto em que mais uma vez Lula terá que entrar em campo e ele mesmo negociar pautas de interesse do Palácio do Planalto.

A ideia é que os parlamentares sigam direto para a residência presidencial logo após à Cerimônia do Dia do Exército, realizada na manhã desta sexta-feira, no quartel-general da Força.

Como o Globo mostrou, no momento em que enfrenta dificuldades para controlar os gastos públicos, o governo prepara uma ofensiva para tentar barrar bombas fiscais gestadas pelo Congresso, mas esbarra na crise enfrentada pela articulação política.
 

A PEC que institui o quinquênio aumenta 5% nos ganhos de magistrados e promotores a cada cinco anos. Na quarta-feira, o texto avançou no Senado com votos favoráveis de senadores da base e sem uma efetiva atuação do Planalto. Além do penduricalho para o Judiciário, há ainda outras pautas com potencial de impactar as contas do governo em andamento no Congresso, como a apreciação dos vetos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em parte das emendas de comissão e a tramitação de uma proposta que trata do programa que incentiva o setor de eventos (Perse).

Na lista dos projetos que podem representar impacto ao governo está a provável derrubada do veto a parte das emendas de comissão, que foram inicialmente determinadas no valor de R$11 bilhões na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), mas durante as negociações da Lei Orçamentária Anual (LOA) houve a ampliação para R$16 bilhões. Lula vetou R$ 5,6 bilhões deste valor, que os congressistas devem derrubar na quinta-feira.

Parlamentares destinaram um quinto de todos os recursos livres do Orçamento da União para 2024 sancionado pelo presidente Lula, mesmo com o veto dele de R$ 5,6 bilhões em emendas parlamentares. As verbas livres são aquelas sobre os quais o poder público pode escolher sua destinação, voltadas principalmente para investimentos e custeio da máquina pública. O percentual sob poder do Congresso ganhou corpo a partir de 2020, mas vinha caindo desde então.

Veja também

Padilha diz que governo vai continuar convidando dirigentes para eventos com Lula
Padilha

Padilha diz que governo vai continuar convidando dirigentes para eventos com Lula

Lula chama de "comício" inauguração de obra em Guarulhos sem presença de Tarcísio
Lula

Lula chama de "comício" inauguração de obra em Guarulhos sem presença de Tarcísio

Newsletter