Eleições 2022

Lula diz que Haddad 'vencerá' eleição em São Paulo e provoca reação do PSB

Presidente do partido, Carlos Siqueira reitera que haverá candidaturas próprias em São Paulo e em Pernambuco

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad estarão no Recife, neste sábado (31)A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad estarão no Recife, neste sábado (31) - Foto: Ricardo Stuckert

O presidente do PSB, Carlos Siqueira, reagiu ontem à declaração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmando que o ex-prefeito Fernando Haddad será o vencedor da eleição para o governo de São Paulo em 2022. Siqueira disse que só aceitará uma aliança com o PT se o partido aceitar fazer concessões e abrir mão de algumas candidaturas nos estados. As informações são do portal G1.

Para que a composição entre PSB e PT se viabilize, Haddad precisaria retirar a candidatura em São Paulo. Siqueira reiterou que o ex-governador Márcio França (PSB) é o pré-candidato do PSB ao Palácio dos Bandeirantes e enfatizou que a legenda não abre mão do posto. O partido também exige apoio do PT no Rio de Janeiro, Pernambuco, Espírito Santo e Rio Grande do Sul.

"Faz parte essa tentativa de viabilizar a candidatura do Haddad. Mas seguiremos insistindo que o PT se concentre na eleição presidencial e não queira disputar com seu aliado, o PSB, os governos estaduais. Se essa postura for mantida, a federação não existirá", afirmou Siqueira ao G1.

Haddad tem se mostrado entusiasmado com a candidatura, e a mais recente pesquisa do instituto Datafolha, feita entre os dias 13 e 16 de dezembro, o coloca na liderança num cenário em que o ex-governador Geraldo Alckmin deixaria a disputa para ser vice na chapa do ex-presidente Lula — a hipótese mais provável é que Alckmin, que deixou o PSDB, migre para o PSB.

Esse acordo nacional, porém, também está atrelado às negociações entre PT e PSB nos estados. Alckmin não decidiu seu destino político e ainda avalia concorrer ao governo paulistano.

Ainda assim, caso o ex-governador não concorra, Haddad lidera, com 28% das intenções de voto. Ele é seguido por França, com 19%, e Guilherme Boulos, com 11%. No terceiro pelotão, com índices mais baixos, ficaram Tarcísio de Freitas (sem partido), com 7%; o vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB), entre outros candidatos.

Na quarta-feira, Lula deu sinais de que aposta as fichas em Haddad.

"Não sei se está percebendo, Haddad, que você vai ganhar o governo de São Paulo", disse Lula, olhando em direção ao ex-prefeito.

Além de não ceder em São Paulo, Lula citou o senador Humberto Costa (PT-PE) como possibilidade para o governo de Pernambuco, comandado por Paulo Câmara (PSB), que já não pode mais se reeleger — o estado é outro considerado prioritário pelo PSB, que busca um nome competitivo.

Na terça-feira, o presidente do PSB já havia sinalizado o tom da dificuldade que é viabilizar o acordo com os petistas, ao ser questionado pelo GLOBO. Embora admita que veja o ensaio da chapa Lula-Alckmin com bons olhos, Siqueira deixa claro que não arredará o pé das candidaturas em São Paulo e Pernambuco.

"Posso até excluir todos os outros (estados), mas Pernambuco e São Paulo permanecerão", afirmou.

Há também interesses conflitantes no Espírito Santo, onde o PT filiou o senador Fabiano Contarato, que avalia concorrer contra o governador Renato Casagrande (PSB).

Veja também

Ministra da Saúde suspende nota técnica sobre aborto após críticas da oposição
BRASIL

Ministra da Saúde suspende nota técnica sobre aborto após críticas da oposição

Tarcísio: candidato à Presidência 'ungido' por Bolsonaro será competitivo em 2026
eleições presidenciais

Tarcísio: candidato à Presidência 'ungido' por Bolsonaro será competitivo em 2026