Lula diz que não quer indulto, diz Gleisi

Gleisi visitou o ex-presidente Lula nesta quinta-feira ao lado de Haddad. Segundo ela, Lula disse que não aceitaria um indulto

Gleisi Hoffmann vai ao TSE pedir providência contra campanha de BolsonaroGleisi Hoffmann vai ao TSE pedir providência contra campanha de Bolsonaro - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso há mais de um mês na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), diz que não aceita receber um indulto. Foi o que afirmou a presidente do partido, a senadora Gleisi Hoffmann, na tarde desta quinta-feira (17). Ela visitou o petista ao lado do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. "Hoje ele me disse claramente: 'Tem que parar de falar em indulto para mim. Eu não aceito indulto. Eu sou inocente, quero provar minha inocência'", relatou.

A ideia de defender o indulto a Lula não é consensual no PT, conforme noticiou a Folha de S.Paulo. Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, e Ciro Gomes, pré-candidato à Presidência pelo PDT, já se manifestaram dizendo que prometer o indulto seria "uma loucura".

Gleisi voltou a afirmar que Lula é o candidato do partido no primeiro turno e argumentou que o ex-presidente tem os direitos políticos preservados. No entendimento da senadora, a Lei da Ficha Limpa não impede que Lula concorra - ela fez referência a 145 prefeitos condenados que foram candidatos nas últimas eleições e ao artigo 26-C do texto.

O artigo citado determina: "O órgão colegiado do tribunal ao qual couber a apreciação do recurso (...) poderá, em caráter cautelar, suspender a inelegibilidade sempre que existir plausibilidade da pretensão recursal". A senadora também disse que, "se nada der certo", Lula "saberá encaminhar o processo com a direção do PT".

Leia também:
Padilha afirma que situação de Lula é estritamente judicial
Juiz retira benefícios concedidos ao ex-presidente Lula


Fernando Haddad, tratado como o plano B da legenda, tem mantido conversas com outros partidos de esquerda. Nesta quinta, ele afirmou que o ex-presidente recomendou que o diálogo continue. "Lula é o primeiro a estabelecer o diálogo. É do interesse dele que os partidos progressistas, que se opõem ao governo Temer, mantenham o diálogo, independentemente de ter candidato próprio."

Questionada se Lula havia comentado sobre a foto do juiz Sergio Moro com o ex-prefeito João Doria (PSDB), Gleisi disse que não. "Não precisa nem de comentários, a foto é autoexplicativa. Já esteve com Aécio [Neves], [Michel] Temer, vive de convescotes com o pessoal do establishment."

Veja também

Bolsonaro veta projeto que poderia prolongar o tempo de espera pela adoção
Veto

Bolsonaro veta projeto que poderia prolongar o tempo de espera pela adoção

Em discurso moderado, Bolsonaro sinalizará a Biden aumento de operações contra desmatamento
Política internacional

Em discurso moderado, Bolsonaro sinalizará a Biden aumento de operações contra desmatamento