Política

Lula e Ciro se encontram e ensaiam reaproximação, mas sem tratar da eleição de 2022

Segundo relatos, eles lamentaram o esgarçamento da relação entre os dois

Ciro Gomes e Luiz Inácio Lula da Silva em Cabrobó (PE), em 2009Ciro Gomes e Luiz Inácio Lula da Silva em Cabrobó (PE), em 2009 - Foto: Folhapress

Leia também

• Ciro Gomes, presidenciável em 2018, está com coronavírus

• Lula pede que impeachment de Bolsonaro seja discutido

• Ex-presidente Lula vira réu na Lava Jato pela quarta vez

• Aos 80 anos, sogra de Lula morre por complicações da Covid-19

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) ensaiaram uma reaproximação em um encontro ocorrido em setembro, na sede do Instituto Lula.
 
Afastados desde as eleições de 2018, quando fracassou a tentativa de um acordo eleitoral para a Presidência, os dois falaram da necessidade de união da esquerda após a vitória do presidente Jair Bolsonaro, mas não chegaram a traçar planos conjuntos para as eleições de 2022.
 
Revelada pelo jornal O Globo, a reunião que consumiu uma tarde foi confirmada pela Folha de S.Paulo. O encontro foi intermediado pelo governador do Ceará, Camilo Santana (PT), preocupado com o clima entre os dois partidos no estado. O governador petista defende um pacto de não-agressão no Ceará, onde PDT e PT são adversários na disputa pela Prefeitura de Fortaleza. 
 
Antes de consumado o encontro, Ciro costumava relatar que se dispunha a conversar a pedido de Camilo, um dos participantes do encontro. Segundo o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, que acompanhou a negociação à distância, Ciro repetia que Camilo está muito preocupado com o cenário político.
 
"O foco é o Ceará", disse Lupi, sem descartar a costura, a partir dessa conversa, de acordos pontuais entre os dois partidos no segundo turno das eleições municipais.

Segundo relatos, os dois lamentaram o esgarçamento da relação entre os dois. Ciro se queixou dos ataques de parte do PT. Um dos pontos de atrito foi a articulação do PT para inviabilizar a aliança do PSB com o PDT nas eleições presidenciais de 2018.
 
Ciro, por sua vez, viajou após derrota e se recusou a apoiar a candidatura de Fernando Haddad no segundo turno contra o presidente Jair Bolsonaro. Hoje, os dois reconhecem que a falta de união garantiu a chegada de Bolsonaro ao Palácio do Planalto.

 

Veja também

TSE nega que haja multa para justificativa de ausência via aplicativo
eleições

TSE nega que haja multa para justificativa de ausência via aplicativo

Ex-chefe de gabinete de Túlio Gadêlha denuncia deputado por calúnia
Denúncia

Ex-chefe de gabinete de Túlio Gadêlha denuncia deputado por calúnia