Lula elogia 'reação do STF' após absolvição de Gleisi

"Pela primeira vez o STF reagiu claramente diante da indústria das delações em um caso concreto, desmoralizando o discurso e a prática da Lava Jato", escreveu Lula

O PT não pode mais veicular a propaganda eleitoral transmitida em rádio, em que Lula aparece como candidato                                  O PT não pode mais veicular a propaganda eleitoral transmitida em rádio, em que Lula aparece como candidato  - Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em carta, que o Supremo Tribunal Federal (STF) "reagiu claramente à indústria de delações premiadas" ao absolver a senadora Gleisi Hoffmann (PR) da acusação de ter participado de um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro desviado da Petrobras.

A carta foi lida nesta quarta (20) pela própria Gleisi durante reunião fechada das bancadas de deputados e senadores do PT, em Brasília. "Pela primeira vez o STF reagiu claramente diante da indústria das delações em um caso concreto, desmoralizando o discurso e a prática da Lava Jato", escreveu o ex-presidente de sua cela, em Curitiba.

Leia também:
Em ação sobre sítio, Lula será interrogado por Moro em setembro
Pedido de liberdade de Lula será julgado no dia 26 pelo STF


Lula chamou de "mentiras" e "notícias falsas" as acusações contra a senadora e disse que os procuradores "nunca levaram em conta os argumentos da defesa e as contradições entre os depoimentos dos delatores" que, segundo o petista, "mudavam de versão cada vez que suas mentiras eram derrubadas pelos fatos e pela investigação".

"Agora me pergunto: quem vai te pedir desculpa por quatro anos de acusações falsas", completa o ex-presidente. Gleisi foi recebida pelos correligionários com flores e música, e se emocionou ao ler a carta enviada a ela pelo ex-presidente.

Nesta terça (19), os ministros da segunda turma do STF entenderam que a Procuradoria-Geral da República (PGR) não conseguiu provar os crimes que foram imputados à senadora pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot. Eles criticaram a estrutura da denúncia, considerada com base apenas em delações de pessoas com interesses em fazer as acusações e que não apresentaram provas para corroborar os depoimentos.

A PGR ainda pode recorrer à turma. Gleisi ainda é alvo de três processos no Supremo, todos relacionados à Lava Jato: quadrilhão do PT, delação da Odebrecht e caso Consist (desvios no Ministério do Planejamento). Ela nega envolvimento em irregularidades.

Condenado em segunda instância pelo caso do tríplex de Guarujá (SP), Lula também enfrenta outros processos.

Nesta quarta, o juiz Sergio Moro marcou o interrogatório do ex-presidente no caso do sítio de Atibaia (SP). Lula será ouvido pelo juiz no dia 11 de setembro às 14h. Será a terceira vez que Lula será interrogado presencialmente pelo juiz. A primeira vez foi em maio de 2017 e a segunda em setembro passado.

Veja também

Pacheco diz não ver ameaça à democracia e que erros de Bolsonaro na pandemia são 'escusáveis'
Entrevista

Pacheco diz não ver ameaça à democracia e que erros de Bolsonaro na pandemia são 'escusáveis'

Alcolumbre quer manter protagonismo em Brasília
Edmar Lyra

Alcolumbre quer manter protagonismo em Brasília