Lula pede que STF anule sentenças de Moro também em seus processos

Os advogados do ex-presidente entraram com o pedido de habeas corpus nesta terça-feira (27)

Luiz Inácio Lula da SilvaLuiz Inácio Lula da Silva - Foto: Fernando Pozzebom/Agência Brasil

Os advogados do ex-presidente Lula entraram nesta quarta-feira (28) com pedido de habeas corpus para que o Supremo Tribunal Federal (STF) estenda a ele a decisão de anular sentenças condenatórias do ex-juiz Sergio Moro.

Na terça-feira (27), segunda 2ª Turma do STF derrubou decisão de março de 2018 de Moro que condenou Aldemir Bendine, ex-presidente da Petrobras, a 11 anos de prisão.

Os magistrados entenderam que a condenação era nula porque Bendine não pôde apresentar as alegações finais de sua defesa depois de delatores da Odebrecht que faziam acusações a ele.

Leia também:
Sentença em caso do sítio usado por Lula é semelhante à anulada agora pelo STF
Advogado diz que procuradores tinham 'ódio' e pede libertação de Lula
Supremo nega pedido de Lula para anular perícia em sistemas da Odebrecht
 

Os advogados de Lula já tinham apresentado reclamação nesse sentido a outros tribunais. Mas, diante da decisão do STF, decidiram recorrer imediatamente ao tribunal pedindo que o mesmo direito seja reconhecido para o ex-presidente. Os defensores do petista relatam pedidos que foram apresentados a Moro e indeferidos pelo então juiz.

No processo em que se investiga as reformas feitas no sítio de Atibaia, frequentado por Lula, os advogados pediram que o prazo para a apresentação de suas alegações finais fosse deflagrado "somente após a apresentação das alegações finais pelos corréus-colaboradores [delatores], em singela homenagem ao princípio constitucional do contraditório e da ampla defesa".

O juiz indeferiu. Segundo ele, "a defesa do acusado colaborador [delator] não é acusação". Não caberia, portanto, "fazer distinção entre acusados colaboradores e acusados não-colaboradores, outorgando vantagem processual a uns em detrimento de outros".

O STF entendeu o contrário de Moro. Para os ministros, o réu acusado pelos delatores deveria apresentar sua defesa posteriormente, para poder se defender das imputações feitas a ele pelo colaborador. Os advogados de Lula afirmam ainda que ele está sendo submetido a constrangimento ilegal e pedem que o ex-presidente seja solto imediatamente.

Veja também

Justiça suspende revogação de normas de proteção a mangues e restingas

Justiça suspende revogação de normas de proteção a mangues e restingas

Patrícia diz que quem critica proposta de saída do Grande Recife "nunca andou de ônibus"
Eleições 2020

Patrícia diz que quem critica proposta de saída do Grande Recife "nunca andou de ônibus"