Lula pede vigília cívica, mas aliados temem tensão nas ruas

Vigília pró-Lula está prevista para acontecer durante o julgamento do habeas corpus no STF

Ex-presidente Lula Ex-presidente Lula  - Foto: Nelson Almeida/AFP

A pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, petistas e integrantes de movimentos de esquerda organizam, para esta quarta-feira (4), o que chamam de uma vigília cívica e democrática durante o julgamento do habeas corpus apresentado ao STF (Supremo Tribunal Federal).

O objetivo é afastar imagem de truculência dos militantes ou de pressão sobre ministros do Supremo. Apesar da orientação para que se evite animosidade nas ruas, aliados do ex-presidente temem conflitos.

Segundo um de seus interlocutores, não se pode descartar ameaça de confronto dado o potencial explosivo do julgamento. Após pernoite no Rio, o ex-presidente passou a terça-feira, véspera do julgamento, no instituto Lula, onde recebeu a visita do presidente da Coteminas, José Gomes, filho do ex-vice-presidente José de Alencar.

Leia também:
Atos contra habeas corpus a Lula reúnem milhares pelo País


Na saída, Josué não descartou nem admitiu hipótese de deixar o MDB para ocupar a vice da chapa do PT à Presidência. Segundo ele, os dois conversaram sobre o desempenho de Cristiano Ronaldo na disputa entre Real Madri e Juventus. "Ele não falou sobre julgamento", disse Josué.

Veja também

MPPE suspende atividades administrativas presenciais até 10 de março
Coronavírus

MPPE suspende atividades administrativas presenciais até 10 de março

Rearranjo no Planalto ameniza influência militar e leva centrão para núcleo duro de Bolsonaro
Política

Rearranjo no Planalto ameniza influência militar e leva centrão para núcleo duro de Bolsonaro