Lula recorre ao TRF4 contra decisão que rejeitou recurso ao Supremo

A defesa do ex-presidente entrou com um agravo para que o TRF4 reconsidere a decisão que rejeitou o recurso extraordinário, destinado ao STF, contra a condenação do petista no caso do tríplex do Guarujá.

LulaLula - Foto: AFP

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou nesta segunda (25) com um agravo para que o TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) reconsidere a decisão que rejeitou o recurso extraordinário, destinado ao STF (Supremo Tribunal Federal), contra a condenação do petista a 12 anos e um mês de prisão no caso do tríplex do Guarujá. As informações são da Agência Brasil.

O recurso foi rejeitado pela vice-presidente do tribunal, Maria de Fátima Freitas Laberrère, na última sexta-feira (22). A magistrada considerou que os argumentos da defesa, de que houve violação a princípios constitucionais no julgamento do tríplex, não merece prosperar.

Leia também:
TRF-4 rejeita recurso de Lula ao Supremo contra condenação

Um dos principais argumentos da desembargadora foi o de que seria necessário o reexame de provas para verificar as irregularidades alegadas pela defesa, e isso não seria permitido pela jurisprudência do próprio Supremo.

No agravo protocolado nesta segunda-feira, a defesa rebateu a desembargadora. "Não se busca no recurso extraordinário o revolvimento ao conjunto fático-probatório, mas apenas a adequada valoração dos fatos e provas", afirmou a equipe de oito advogados que representa Lula, entre eles Sepúlveda Pertence, ex-presidente do STF, Cristiano Zanin Martins e José Roberto Batochio.

Para os advogados, não é necessário reexaminar provas para que sejam observadas violações a princípios constitucionais como o da imparcialidade do juiz e da presunção da inocência.

A defesa de Lula pretende que o TRF4 volte atrás e admita o recurso para ser julgado pelo Supremo, o que poderia suspender a execução da pena e determinar a soltura do ex-presidente, preso desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

O pedido de efeito suspensivo, quando o recurso extraordinário suspende a execução de pena, estava marcado para ser julgado nesta terça pela Segunda Turma do STF, mas o julgamento foi cancelado após o TRF4 rejeitar o recurso extraordinário.

Apesar de ter rejeitado o recurso extraordinário ao STF, o TRF4 aceitou o recurso especial, destinado ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), em um dos pontos destacados pela defesa, relativo à multa imposta ao ex-presidente na condenação.

Veja também

Decreto de Bolsonaro libera militares da ativa em cargos do governo por tempo indeterminado
Militares

Decreto de Bolsonaro libera militares da ativa em cargos do governo por tempo indeterminado

Presidente da CPI da Covid vê gravidade em caso Covaxin, cita Bolsonaro e fala em acionar a PF
SENADO

Presidente da CPI da Covid vê gravidade em caso Covaxin, cita Bolsonaro e fala em acionar a PF