Lula terá audiência com Conselho Nacional de Direitos Humanos

O pedido partiu do próprio Conselho, que quer apurar denúncia de possíveis "violações de garantias constitucionais e direitos humanos"

LulaLula - Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá uma audiência com membros do Conselho Nacional de Direitos Humanos. A autorização para a visita do órgão à PF (Polícia Federal) foi concedida pela juíza Carolina Lebbos na última sexta-feira (6).

A inspeção deve ocorrer na próxima terça-feira (17), às 10h, mas ainda depende de aprovação de data e horário pela PF. Além de vistoriar o local onde Lula está preso desde abril de 2018, os conselheiros Leandro Gaspar Scalabrin, Leonardo Penafiel e Ismael José Cesar vão ouvir o ex-presidente.

O pedido partiu do próprio Conselho, que quer apurar denúncia de possíveis "violações de garantias constitucionais e direitos humanos" no processo em que Lula é réu.

Leia também: 
Com discurso de político, Huck prega conciliação e alfineta Lula e Crivella
Gilmar Mendes defende decisão que barrou posse de Lula em 2016 e critica Lava Jato
Força-tarefa da Lava Jato denuncia Lula e irmão sob acusação de corrupção em SP 

A justificativa para a denúncia são as mensagens trocadas entre procuradores da Lava Jato, o ex-juiz, atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e outras autoridades, reveladas pelo site The Intercept em conjunto com outros veículos, como a Folha de S.Paulo.

A solicitação recebeu pareceres favoráveis da defesa de Lula e do MPF (Ministério Público Federal). "Em que pese não reconheça a autenticidade das supostas mensagens atribuídas a integrantes da força-tarefa, oriundas de crimes cibernéticos", ressalvaram os procuradores em manifestação.

Veja também

STJ manda Justiça do Rio analisar pedido de liberdade de Cristiane Brasil
justiça

STJ manda Justiça do Rio analisar pedido de liberdade de Cristiane Brasil

Conversinha mole de ficar em casa é para os fracos, diz Bolsonaro
Coronavírus

Conversinha mole de ficar em casa é para os fracos, diz Bolsonaro