Política

Maia afirma que programa de transferência de renda de Bolsonaro é 'mais do mesmo'

Parlamentar também disse que o governo deveria avançar em uma proposta para criar mobilidade social

Rodrigo MaiaRodrigo Maia - Foto: Najara Araújo/ Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse neste domingo (5) que o programa Renda Brasil, em estudo pelo governo para substituir o Bolsa Família, é "mais do mesmo". Maia também disse que o governo deveria avançar em uma proposta para criar mobilidade social, em vez de apenas focar na transferência de renda.

"Olha, eu acho que o Renda Brasil é mais do mesmo, é unificar o que já existe de programa, ampliar o valor médio de R$ 180 para R$ 230, R$ 250 e manter isso como um programa de transferência de renda. Eu acho que precisamos ir além do programa de transferência de renda", disse o presidente da Câmara, em entrevista à GloboNews.

"Só unificar apenas como uma transferência de renda, esse programa já existe", disse, respondendo se o Renda Brasil seria apenas uma renomeação do Bolsa Família, muito ligado aos governos do PT (Partido dos Trabalhadores). O governo estuda encaminhar ao Congresso nos próximos dias a proposta do Renda Brasil. Trata-se de um programa de transferência de renda que vai unificar os demais existentes e que vai permitir que os beneficiários tenham outras fontes de renda.

Maia, por sua vez, disse que é necessário manter um programa de transferência de renda, mas que o modelo atual não impactou o problema da desigualdade. Por isso seriam necessárias formas para "premiar" as famílias que cumpriram suas obrigações no programa para facilitar a "transição" para uma nova fase da vida.

 



"Nós precisamos manter uma parte do recurso de transferência para garantir que nenhum brasileiro fique abaixo da linha da pobreza, ou da extrema-pobreza e somar isso com uma variável onde a gente estimule a mobilidade social das famílias", afirmou.

Maia explicou que uma proposta mais abrangente teria como objetivo "premiar" famílias que conseguiram abandonar o Bolsa Família. Tendo como base os indicadores sociais presentes no Cadastro Único do governo federal, seria possível então oferecer auxílio para que essas pessoas fizessem a "transição".

O presidente da Câmara voltou a comentar a necessidade da aprovação de uma reforma tributária no segundo semestre, para tornar o sistema brasileiro mais preparado para a retomada após a crise do novo coronavírus. Maia também defendeu a realização de uma reforma administrativa, para tornar a máquina pública mais eficiente e acabar com distorções, que privilegiam a elite do funcionalismo público.

Veja também

Bancada federal não crê em candidatura de Túlio Gadêlha
Edmar Lyra

Bancada federal não crê em candidatura de Túlio Gadêlha

Com PT na pauta, João Campos, Geraldo e Paulo Câmara se reúnem
folha política

Com PT na pauta, João Campos, Geraldo e Paulo Câmara se reúnem