Maia diz que Bolsonaro não tem coragem de demitir Mandetta e mudar política contra coronavírus

'É fundamental que, no meio do processo [de enfrentamento à doença], a gente não tenha uma perda de um nome como o do Mandetta', afirmou o presidente da Câmara dos Deputados

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos DeputadosRodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira (3) que, apesar dos ataques, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não tem coragem de demitir o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e mudar a política de enfrentamento ao coronavírus.As declarações foram feitas durante videoconferência promovida pelo jornal Valor Econômico com o banco Itaú e que contou com a participação de Mário Mesquita, economista-chefe do banco.

O deputado criticou os ataques de Bolsonaro ao ministro da Saúde. "É fundamental que, no meio do processo [de enfrentamento à doença], a gente não tenha uma perda de um nome como o do Mandetta", disse. Segundo Maia, uma eventual troca mudaria a política do Ministério da Saúde e significaria que Bolsonaro não acredita no que o ministro está fazendo. "Ao mesmo tempo, ele não tem coragem de tirar o ministro e mudar oficialmente a política. Ele fica numa posição dúbia".

Leia também:
'Não dá, em um governo liberal, o BNDES virar dono das aéreas', diz Maia sobre socorro proposto ao setor
'Vai quebrar tudo', diz Bolsonaro em nova crítica ao fechamento do comércio
Está faltando um pouco mais de humildade ao Mandetta, diz Bolsonaro sobre ministro da Saúde

Para o presidente da Câmara, Bolsonaro mais atrapalha do que ajuda quando vem a público criticar o ministro, mas Mandetta tem tido "paciência e todo equilíbrio" para continuar reafirmando a mesma posição do Ministério, sem se submeter à pressão do presidente. Maia lembrou que Mandetta foi escolhido por Bolsonaro. "Esse conflito que ele constrói agora com o ministro, do ponto de vista concreto, não faz sentido, porque ele delegou ao ministro a área técnica", afirmou o deputado.

Ele ainda sugeriu que o presidente estaria ouvindo "quem quer o cargo do Mandetta de forma oportunista" e que uma troca de comando do Ministério da Saúde seria decisão política de Bolsonaro. "E toda decisão política tem consequência." Para Maia, apesar dos ataques, Bolsonaro reconhece o trabalho do ministro. "Temos toda confiança, e todo respaldo que o ministro precisar da maioria da Câmara, no meu mandato, na minha Presidência, ele tem."

Na noite de quinta-feira (2), Bolsonaro afirmou que está faltando "humildade" ao ministro da Saúde. "Tá faltando um pouco mais de humildade pro Mandetta", disse o presidente. "O Mandetta em alguns momentos teria que ouvir um pouco mais o presidente da República."

Questionado sobre as declarações do presidente, Mandetta apenas respondeu inicialmente: "ok". "Não comento o que o presidente da República fala. Ele tem mandato popular, e quem tem mandato popular fala, e quem não tem, como eu, trabalha", declarou. Em seguida, disse que estava analisando dados sobre o novo coronavírus e preocupado com a situação de algumas regiões.

"Eu acho que estamos frente a uma doença nova, e está todo mundo aprendendo com essa doença. Vamos saber o que ela vai fazer com nosso sistema de saúde. Rezo a Deus que nada disso aconteça aqui, que eu esteja absolutamente errado, que toda a ciência esteja absolutamente errada", afirmou o ministro.

Mandetta e Bolsonaro vem travando um embate desde o começo da crise. O ministro tem defendido políticas de isolamento social frente à pandemia, incluindo o fechamento de estabelecimentos comerciais, como forma de evitar aglomerações e a proliferação da doença. Bolsonaro, no entanto, tem criticado esse discurso e as medidas, defendidas por Mandetta, adotadas pelos governadores de decretar uma quarentena.

Veja também

'Se eu perder, houve fraude' é discurso de quem não aceita a democracia, diz Barroso
CRÍTICAS

'Se eu perder, houve fraude' é discurso de quem não aceita a democracia, diz Barroso

PF ouve Pazuello sobre prevaricação atribuída a Bolsonaro e suspeitas na compra da Covaxin
Depoimento

PF ouve Pazuello sobre prevaricação e suspeitas na compra da Covaxin