Maia elogia atuação política de Moro e vê qualidades do juiz para STF

O primeiro ministro do Supremo que deve deixar a corte durante a gestão de Bolsonaro é o decano Celso de Mello

Presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM) Presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM)  - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (13) que o ministro da Justiça, Sergio Moro, tem "todas as qualidades" para ser indicado ao STF (Supremo Tribunal Federal) e que o ex-juiz mostra mais habilidade de articulação política do que outros quadros do governo.

"Acho que a política tem que olhar o ministro Moro hoje de outra forma. Acho que o que ele fez na semana passada, mesmo tendo resultado desfavorável, foi fazer política. A gente está reclamando muito que o governo não faz política e esse ministro, por mais que alguns tenham restrição ou não a ele, ele fez política, tem feito política", afirmou.

No domingo (12), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou ter assumido um compromisso com o ex-juiz para indicá-lo ao STF. "Eu fiz um compromisso com ele, porque ele abriu mão de 22 anos de magistratura. Eu falei: 'a primeira vaga que tiver lá [no STF], está à sua disposição'", declarou o presidente em entrevista à rádio Bandeirantes.

Leia também:
Bolsonaro diz que vai indicar Sergio Moro para vaga no STF
'Se fosse presidente, indicaria Moro ao STF', diz juíza que condenou Lula


O primeiro ministro do Supremo que deve deixar a corte durante a gestão de Bolsonaro é o decano Celso de Mello, que cumpre 75 anos -a idade de aposentadoria obrigatória- em novembro de 2020. A segunda vaga no STF deve ficar disponível com a aposentadoria de Marco Aurélio Mello, em julho de 2021.

Na semana passada, Moro conversou com deputados e senadores para tentar que o Congresso não aprovasse retirar o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) de sua alçada, mas foi derrotado -o órgão deve passar para o guarda-chuva do Ministério da Economia.

Maia disse ainda que não pode haver retaliações contra Moro e que, agora com a previsão de seu nome ao STF, a atuação do Congresso ficará restrita quanto a modificar a idade de aposentadoria dos ministros de 75 para 80 anos, por exemplo.

Como informou o Painel, integrantes do Supremo foram avisados de que uma nova revisão da PEC da Bengala está sendo discutida por deputados e senadores.

"Não acho que deva ter retaliação [a Moro], que a gente deva mudar a lei para prejudicar ou beneficiar ninguém, em tese, você pode fazer qualquer mudança mas quando há um nome, a partir daí, também restringe a capacidade de a gente fazer qualquer tipo de movimento".

Também presente no almoço em Nova York, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), fez coro à tese de Maia, mas disse que a discussão ainda está muito longe para emitir qualquer opinião sobre o tema.

"Eu não acho nesse momento absolutamente nada. O presidente Bolsonaro se manifestou em relação ao compromisso que teria assumido com o ministro Sergio Moro em relação a quando houvesse uma vaga no STF ele seria indicado. Uma decisão faltando um ano e meio para que aconteça, temos uma longa travessia".

Maia e Alcolumbre discutiram a aprovação da reforma da Previdência com empresários e investidores brasileiros e americanos nos EUA. Também estava presente o presidente do STF, Dias Toffoli, que não quis comentar a possível indicação de Moro para a corte.
Segundo Maia, a presença de Toffoli no encontro é importante para mostrar que "as instituições e a democracia brasileira estão firmes".

"Nossas instituições estão funcionando e garantindo que aquilo que for aprovado pelo Legislativo será respaldado pelo Supremo", declarou.

Veja também

Brasil antecipou mais de 16 milhões de doses de vacinas, diz Queiroga
IMUNIZANTE

Brasil antecipou mais de 16 milhões de doses de vacinas, diz Queiroga

Barroso se reúne com deputados da comissão do voto impresso
TSE

Barroso se reúne com deputados da comissão do voto impresso