Maia remarca depoimento que daria à PF em inquérito sobre Odebrecht

Depoimento, que seria tomado na sede da PF em Brasília numa semana em que o nome de Maia está no centro das discussões sobre eventual queda do presidente, foi remarcado para agosto.

Rodrigo MaiaRodrigo Maia - Foto: Agência Brasil

Sucessor do presidente Michel Temer caso ele seja afastado do cargo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reagendou um depoimento que prestaria à Polícia Federal na manhã desta quarta (12) em um dos inquéritos em que é suspeito de receber propina da Odebrecht.

O depoimento, que seria tomado na sede da PF em Brasília numa semana em que o nome de Maia está no centro das discussões sobre eventual queda do presidente, foi remarcado para agosto.

O advogado do deputado, Danilo Bonfim, peticionou pedindo o reagendamento, uma vez que o inquérito está no gabinete do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, e não na PF. Na última quarta (5), a PF pediu a Fachin mais 60 dias para concluir a investigação.

Maia é alvo de dois inquéritos instaurados em abril por causa das delações da Odebrecht. As suspeitas são de corrupção passiva e lavagem de dinheiro - cujas penas vão de dois a 12 anos e de três a dez anos, respectivamente.

Na investigação em que seria ouvido, o deputado é suspeito de receber R$ 100 mil para ajudar a garantir a aprovação da Medida Provisória (MP) 613, de 2013, que desonerava o setor do etanol e de indústrias químicas, beneficiando diretamente a Braskem, petroquímica do grupo Odebrecht.

A MP foi aprovada no final de agosto de 2013. O sistema eletrônico Drousys, que registrava pagamentos ilícitos dentro da Odebrecht, mostra um repasse de R$ 100 mil a "Botafogo" em 10 de outubro de 2013. Segundo as apurações, "Botafogo" era o apelidado dado a Maia nas planilhas da empreiteira.

No mesmo inquérito são investigados os senadores Eunício Oliveira, presidente do Senado, Romero Jucá e Renan Calheiros e o deputado Lúcio Vieira Lima, todos do PMDB.

Eles também são suspeitos de terem recebido propina para atuar em favor do grupo Odebrecht no Congresso. Eunício e Jucá já foram ouvidos pela PF no final de junho e negaram irregularidades.

OUTRAS APURAÇÕES
Maia também é investigado em outro inquérito derivado da delação da Odebrecht por suspeita de ter recebido repasses não declarados em 2008 e 2010 a pretexto de doação para campanha eleitoral.

Em 2008, Maia e seu pai, Cesar Maia, teriam pedido e recebido R$ 350 mil ilicitamente, segundo delatores. Como os dois não foram candidatos naquele ano, o dinheiro teria sido usado para ajudar aliados no Rio.

Já em 2010, o delator Benedicto Júnior, ex-executivo da Odebrecht, contou que Maia pediu R$ 600 mil para a campanha derrotada de seu pai ao Senado. De acordo com a apuração, já foram localizados registros de repasses ilícitos de R$ 400 mil no sistema Drousys.

Em um terceiro inquérito em curso no Supremo, o presidente da Câmara é apontado como destinatário de R$ 1 milhão da construtora OAS para atuar em benefício dela em 2014. O inquérito foi instaurado com base em mensagens apreendidas no celular de Léo Pinheiro, dono da OAS, e também envolve a tramitação de uma Medida Provisória.

A assessoria do deputado tem afirmado que ele nunca recebeu vantagem indevida para votar qualquer matéria na Câmara.

Em nota à Folha de S.Paulo no mês passado, a assessoria afirmou que, "ao longo de seus cinco mandatos de deputado federal, [Maia] sempre votou de acordo com orientação da bancada ou com a própria consciência".

Veja também

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas
Coronavírus

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina
Coronavírus

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina