Manifestantes anti-Lula fazem carreata munidos de ovos em Curitiba

Manifestantes anti-Lula se reuniram por volta das 15h no estacionamento do Parque Barigui, onde o líder do "Curitiba Contra Corrupção" orientava uma possível ovada na caravana do ex-presidente

LulaLula - Foto: AFP

Manifestantes anti-Lula realizaram uma carreata na tarde desta quarta-feira (28) pelas ruas de Curitiba (PR). O destino foi a praça 19 de dezembro, no centro da cidade, a menos de 1 km da praça Santos Andrade, onde foi o ato dos petistas.

Os manifestantes anti-Lula se reuniram por volta das 15h no estacionamento do Parque Barigui. Cristiano Roger, 40, analista de Recursos Humanos e líder do "Curitiba Contra Corrupção", orientava uma possível ovada na caravana do ex-presidente. "A comitiva vai passar aqui, o ideal seria o pessoal ir do outro lado, jogar os seus ovos e depois a gente começar a carreata." Não passou.

Leia também:
Lula encerra em Curitiba caravana marcada por violência
Lula compara violência contra caravana ao surgimento do nazismo


Cristiano diz que o grupo não levou os ovos, que teriam sido trazidos espontaneamente pelos manifestantes anti-Lula. Ele afirma que o trio elétrico foi financiado com uma vaquinha dos membros e venda de camisas e pixulecos.

A reportagem acompanhou a carreata no primeiro carro, conduzido pelo empresário João Parolin, 38. Parolin diz ser o coordenador da segurança do "Curitiba Contra Corrupção", um dos três grupos responsáveis pela manifestação anti-Lula, ao lado do "Acampamento Lava Jato" e "Patriotas Paraná".

Ele afirmou que trabalha junto com a Política Militar para garantir a tranquilidade dos protestos. Sobre a ovada, diz que uma empresa chegou para vender e que os manifestantes anti-Lula se animaram, mas que não concorda com o ato. "Não posso permitir que façam esse tipo de coisa."

Para acalmar os manifestantes anti-Lula e dar o pontapé na carreata, Parolin prometeu levá-los à casa do senador Roberto Requião, da ala dissidente do MDB. Requião anunciou que estará presente no protesto pró-Lula.

A carreata, de fato, passou pela casa do senador, mas Parolin não avisou os manifestantes. "Eu só quero que ele ouça." Do carro de som, gritos de ordem criticando o STF e defendendo a imediata prisão de Lula.

A carreata não foi escoltada pela Polícia Militar. O tenente Tiago Vieira diz que a PM conta com viaturas ao longo do caminho para acompanhar o protesto anti-Lula. Ele afirma que a corporação teme confrontos entre manifestantes opostos no fim da tarde, mas que o reforço no policiamento visa evitar este tipo de problema.

Veja também

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista
Eleições 2020

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife
Eleições 2020

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife