Marchezan e Melo buscam votos do PT e do PSOL no 2º turno em Porto Alegre

Partidos de Marchezan e Melo defenderam o processo que culminou no impeachment da presidente Dilma Rousseff

Faculdade de Direito do Recife segue ocupadaFaculdade de Direito do Recife segue ocupada - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Pouco depois que os números do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmaram a presença dos candidatos Nelson Marchezan Júnior (PSDB) e Sebastião Melo (PMDB) no segundo turno em Porto Alegre, ambos falaram aos eleitores, em discursos marcaram o começo da campanha para a segunda parte do pleito, prevista para o dia 30.

Com a disputa pelos votos dos candidatos que ficaram de fora, o desafio para ambos os candidatos será herdar os votos de Raul Pont (PT) e Luciana Genro (PSOL). Os partidos de Marchezan e Melo defenderam o processo que culminou no impeachment da presidente Dilma Rousseff, movimento que o PT e o PSOL chamaram de "golpe".

Para Marchezan, que liderou o primeiro turno com 29,84% dos votos, conquistar esses eleitores não será problema, porque as pessoas não ligam tanto para os partidos na hora de votar. “A sociedade está muito angustiada com a situação financeira, com a falta de serviços públicos e está buscando algo no que acreditar. Está buscando causas. Acho que conseguimos, de alguma forma, passar uma mensagem de que vamos levar isso para a prefeitura.”

Melo, por sua vez, ressaltou que o eleitor tem apenas dois caminhos. “Ou ele vota em uma [das candidaturas], ou não vota em ninguém. Nosso foco, agora, é tentar um diálogo com esse cidadão, mostrando nossas proposições para os avanços de que a cidade precisa”, afirmou.

O candidato, que é vice do atual prefeito José Fortunati, comemorou o fato de a atual gestão ter conquistado o direito de disputar o segundo turno das eleições. “O governo foi aprovado pela cidade de Porto Alegre, porque as nossas candidaturas foram amplamente reconhecidas pela população.”

Legislativo

Para a Câmara Municipal de Porto Alegre, o partido que conquistou mais cadeiras dentre as 36 da Casa foi o PMDB, que elegeu cinco vereadores. O PP, o PTB e o PT elegeram quatro vereadores cada um; o PSOL e o PDT, três; o DEM, o PRB e o PSB conquistaram duas cadeiras. O PR, o Novo, o PSD, o PSDB, o SD, a Rede e o PROS elegeram um vereador cada.

A candidata que liderou o pleito para a Câmara na capital gaúcha foi Fernanda Melchionna (PSOL), com 14.630 votos, 2,12% do total. Já o Professor Wambert Di Lorenzo (PROS) foi o que menos precisou de votos para se eleger: 2.906, ou 0,42% do total.

Veja também

Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF
Supremo

Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF

Bolsonaro pede que diplomatas levem verdade do Brasil ao exterior
Política

Bolsonaro pede que diplomatas levem verdade do Brasil ao exterior