Marta Suplicy recebia mesada de R$ 200 mil, diz dono da JBS

Empresário Joesley Batista também afirmou que deu R$ 1 milhão para a campanha dela ao Senado, em 2014

Senadora Marta SuplicySenadora Marta Suplicy - Foto: Waldemir Barreto/ Agência Senado

O proprietário da JBS, Joesley Batista, afirmou que pagou uma mesada de R$ 200 mil à senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) por 15 meses entre 2015 e 2016 e deu R$ 1 milhão para a campanha dela ao Senado, em 2014. Segundo o empresário, o dinheiro, em espécie, era entregue ao marido de Marta, o ex-presidente do Jockey Club de São Paulo Márcio Toledo, pelo executivo Florisvaldo Caetano de Oliveira.

Batista afirmou que conheceu Marta por meio do ex-ministro Antonio Palocci quando a senadora ainda pertencia ao PT. A doação para a campanha teria sido dividida em duas: metade oficial e metade por caixa dois.

O empresário afirma que ele e seu irmão, Wesley, foram assediados pelo empresário e por assessores de Marta para que retomassem a mesada e doassem para a campanha para a Prefeitura de São Paulo de 2016. Na época, as doações de empresas já eram proibidas. Batista diz que a partir daí começou a se afastar da senadora, apesar da insistência para que se retomassem os pagamentos.

OUTRO LADO
A senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) divulgou nota confirmando ter recebido dinheiro da JBS para campanha de 2014. A peemedebista diz presumir que o dinheiro doado "tenha saído da contabilidade regular da empresa dele porque ele sabia que esse dinheiro seria declarado ao TSE, como efetivamente foi", diz a nota.

"Na chocante confissão de improbidade de Joesley Baptista há verdades e mentiras. Confirmo a declaração dele de que nunca me pediu e nunca lhe fiz nenhum favor ou benefício, nem particular, nem institucional", afirma.

A senador nega a existência de "qualquer outra doação". E afirma ser "absurda a afirmação de que suas empresas tivessem me doado qualquer valor mensal para a campanha à Prefeitura de São Paulo em 2016".

Segundo ela, foi solicitada uma contribuição de pessoa física, mas foi negada. "Nada foi doado e nada foi pago ou recebido. Aliás, a campanha eleitoral não durou quinze meses e, repito, nada foi doado por esse grupo à minha campanha para a Prefeitura. Tomarei as providências cabíveis para esclarecer legal e devidamente essas afirmações falsas."

Veja também

Jair Bolsonaro evita Fórum Econômico Mundial de novo
Política

Jair Bolsonaro evita Fórum Econômico Mundial de novo

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país
Impeachment

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país