A-A+

MEC demite presidente do FNDE sem avisar titular do cargo

Essa é a segunda troca neste cargo no governo Jair Bolsonaro (sem partido). O ato ocorre no meio das férias do ministro da Educação, Abraham Weintraub

Rodrigo Sérgio DiasRodrigo Sérgio Dias - Foto: Reprodução

O Ministério da Educação exonerou na noite desta terça-feira (23) o presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), Rodrigo Sérgio Dias. A medida pegou de surpresa o próprio titular do cargo.

Essa é a segunda troca neste cargo no governo Jair Bolsonaro (sem partido). O ato ocorre no meio das férias do ministro da Educação, Abraham Weintraub.

O FNDE é responsável, por exemplo, por transferências de recursos para redes públicas de educação e escolas.

Leia também:
Pesquisa: maioria defende educação gratuita da creche à universidade
Evasão na educação básica apresenta queda, aponta Censo Escolar 

À reportagem, Dias não quis dar detalhes sobre o assunto, mas disse que não havia sido avisado que seria exonerado do cargo. Só soube depois da publicação do ato, ocorrida em edição extra do diário Oficial nesta terça.

Na mesma edição foi nomeada para a presidência do FNDE Karine Silva dos Santos, concursada do próprio fundo e que estava à frente Diretoria de Ações Educacionais.

De acordo com o MEC, o chefe de gabinete, Guilherme Arthur Botelho Victorio Cerioni, e o diretor financeiro, Gilvan Silva Batista, também deixam os cargos.

Em nota, o MEC afirmou que "a escolha do nome se deu pelo perfil técnico".

Dias havia assumido o cargo em agosto, e substituiu o professor Carlos Alberto Decotelli. O nome dele foi uma indicação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e tinha apoio de parlamentares do chamado centrão.

Veja também

Ex-ministro do TST, Ronaldo Lopes Leal é sepultado em Porto Alegre
Luto

Ex-ministro do TST, Ronaldo Lopes Leal é sepultado em Porto Alegre

CPI concentrou holofotes, deixou Pacheco em segundo plano e foi pedra no sapato de Bolsonaro
Congresso

CPI concentrou holofotes, deixou Pacheco em segundo plano e foi pedra no sapato de Bolsonaro