Meirelles lança página no Facebook com fotos de bebê e diplomas

Ministro reconstruiu sua biografia em sua página no Facebook como o prêmio de "banqueiro central do ano"

Henrique MeirellesHenrique Meirelles - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, está agora no Facebook. Nesta quarta-feira (24), ele divulgou em sua conta no Twitter -também criada recentemente- sua página na rede social de Mark Zuckerberg.

Leia também
Henrique Meirelles diz que Eletrobras pode ser privatizada até 2018
Aumento do etanol pode ser revisto, diz Henrique Meirelles
Henrique Meirelles esteve ligado à controladora da JBS por 4 anos


Projeções de expansão do PIB durante a gestão do ministro na Fazenda são destacadas na página, assim como outros indicadores positivos do período.
Meirelles quer ser o nome do governo na disputa pela Presidência neste ano, embora publicamente afirme que só decidirá se concorrerá em abril.

Nesta terça-feira (23), ele afirmou que investidores lhe pedem "o tempo todo e sem parar" que se candidate. "Isso é recorrente. É sempre", afirmou o ministro ao ser indagado pela Folha de S.Paulo se ouviu apelos para se lançar candidato durante o almoço com empresários e investidores promovido pelo Banco Itaú em Davos, onde acontece o 48º encontro anual do Fórum Econômico Mundial.

O ministro reconstruiu sua biografia em sua página no Facebook, registrando eventos como o prêmio de "banqueiro central do ano" (2007) e seu comprovante de aprovação para o 4º ano primário (1955).

Fixada no topo da página, está uma publicação em que Meirelles dá as boas vindas ao visitante."Criei este canal para estarmos mais próximos e para dialogarmos sobre os assuntos que interessam ao país e a todos nós brasileiros", afirma.

Em vídeo que acompanha a postagem, Meirelles diz que sua proposta para o país é um "grande e poderoso reencontro de milhões de brasileiros". Afirma ainda que tem sido "doloroso e em alguns casos vergonhoso" para os brasileiros acompanharem o noticiário. "Nunca nossa auto estima foi tão desafiada, dia após dia, decepção após decepção", diz o ministro em vídeo.

Meirelles disse ainda que "pior que a crise política, o desemprego e a inflação alta" é perceber que tem gente apostando na divisão dos brasileiros. "Uma divisão que nos últimos tempos separou milhões de nós, de norte a sul do país. Eu falo para os brasileiros que não caem nesse canto dos demagogos e salvadores da pátria. Para os brasileiros que sabem: só se arruma uma casa e um país com muito trabalho, honestidade, persistência e responsabilidade", declarou.

O ministro ainda afirmou que o Brasil decidirá quem vai pagar menos ou mais imposto, o que muda nos direitos dos trabalhadores, a Previdência e qual o "tamanho ideal da máquina pública" no país.

"As respostas a essa pergunta só dependem de um grande e poderoso reencontro, os milhões de brasileiros que são maioria, que não estão nos extremos do ponto de vista politico e ideológico", disse. "Um reencontro para retomar caminhos comuns que a política interrompeu, reencontro para buscar a harmonia na diferença, em nome de país mais justo e próspero. É nisso que eu acredito, é essa a minha proposta. Um grande e poderoso reencontro dos brasileiros".

Embora a página tenha sido anunciada hoje, há postagens que datam de meses anteriores, destacando resultados econômicos, como a desaceleração da inflação e aumento da produção de veículos -acompanhadas por imagens com gráficos e fotos do ministro.

Há ainda fotos de Meirelles criança e seu caderno de geografia da "segunda série ginasial". Na seção "sobre" da página, ele escreve: "Otimista com o futuro do Brasil. Exercendo atualmente a função de Ministro da Fazenda. Tirar projetos do papel é o que mais gosto de fazer."

Veja também

Bolsonaro faz mudança em cargos do gabinete pessoal e Secretaria-Geral
Política

Bolsonaro faz mudança em cargos do gabinete pessoal e Secretaria-Geral

'Não acredito que vacina chinesa transmita segurança pela sua origem', diz Bolsonaro
coronavírus

'Não acredito que vacina chinesa transmita segurança pela sua origem', diz Bolsonaro